Feiúra é mais divertida que beleza, diz Umberto Eco

Narizes com verrugas, pele flácida e coxas gordas podem ser belos e fascinantes, segundo o escritor e acadêmico italiano Umberto Eco, que teceu elogios a corpos pouco convencionais na Feira do Livro de Frankfurt, na quinta-feira. Eco, que está divulgando seu novo livro, "On Ugliness" (sobre a feiúra), disse que os corpos feios são mais interessantes que os belos, porque a feiúra não conhece limites. "Descobrimos como é divertido buscar a feiúra, porque a feiúra é mais interessante que a beleza. A beleza frequentemente é entediante. Todo o mundo sabe o que é a beleza", disse o autor de "O Nome da Rosa" e "O Pêndulo de Foucault" no lançamento de seu novo livro. "Com a feiúra, há uma infinidade de formações que podem ocorrer -- pode-se produzir um gigante, um anão, um homem como Pinóquio, com nariz comprido", disse ele. O livro, que desenvolve o tema de "História da Beleza", que Eco publicou em 2004, narra a história da feiúra ao longo dos anos, fazendo referências a pinturas célebres como "Mulher Chorosa", de Pablo Picasso. Embora Eco tenha admitido que a feiúra, assim como a beleza, está nos olhos de quem a contempla, ponderou que esse pendor pelo que é formado com estranheza é, na realidade, um traço universal. "Existem rostos horrorosos dos quais gostamos. Jerry Lewis é feio, mas gostamos dele", disse Eco, referindo-se ao semblante amigável do humorista norte-americano. Na outra extremidade da escala, o rosto do diabo pode provocar asco ou fascínio, disse Eco, acrescentando que até mesmo imagens de figuras santas revelam um fascínio com o feio. Mas o escritor relutou em revelar seu gosto pessoal, embora tenha demonstrado apreciação por corpos de formato mais arredondado. Indagado se achava atraente a figura de uma mulher nua e rechonchuda pintada por Fernando Botero, Eco respondeu: "Pelo menos ela não é anoréxica". Mas, indagado sobre uma pintura do século 16 de "Uma Velha Mulher Grotesca", do artista flamengo Quinten Massys, que mostra uma mulher de boca caída e rosto que se assemelha ao de um velho, o escritor respondeu: "Talvez eu pudesse dizer, não é meu tipo!"

SYLVIA WESTALL, REUTERS

11 Outubro 2007 | 16h48

Mais conteúdo sobre:
GENTE ECO FEIURA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.