Feira Música Brasil termina com vaia do público em BH

Era reclamação para todos os lados. Público, músicos, intérpretes, produtores, empresários, representantes de delegações estrangeiras e até profissionais que trabalharam na curadoria da terceira edição da Feira Música Brasil, realizada entre quarta-feira e ontem, em Belo Horizonte, deixaram evidente sua insatisfação. O público se manifestou da maneira mais prosaica, com sonoras vaias, por vários motivos: interrupções de shows por causa do cronograma e do horário, falhas técnicas no som, apresentações muito curtas. Os shows de Ná Ozzetti e Rita Ribeiro, que encerraram a programação no palco principal no sábado à noite, foram os mais prejudicados em todos esses sentidos.

AE, Agência Estado

13 de dezembro de 2010 | 09h05

Música boa, som ruim. Quem foi só no sábado na sede mineira da Funarte, nem poderia acreditar que em outras apresentações nas noites anteriores a qualidade do som estava excelente, apesar do altíssimo volume, batendo os 110 decibéis. Esse foi outro sério problema, que levou a organização do evento a tomar duas multas e o técnico de som de Otto, que não obedecia às regras de manter o som no limite de 80 decibéis, a receber ordem de prisão na sexta-feira.

Já passava da meia-noite (horário limite que Gilberto Gil ultrapassou na noite de quarta, mas com volume mais baixo), quando Elza Soares apareceu de surpresa, ao lado de Bebel Gilberto, e começou a improvisar com Otto, mas seus microfones foram cortados. O público, que não sabia do que se passava nos bastidores, vaiou a organização e xingou o prefeito da capital mineira em coro estrondoso.

Algo parecido sucedeu-se no sábado quando Mestre Vieira foi cortado bruscamente no show dos Mestres da Guitarrada, ao lado de Pio Lobato, e praticamente expulso do palco. O público ficou irado e sobrou mais uma vez para a inocente apresentadora segurar a enxurrada de vaias.

O fato de a Feira ter tido grande (e merecida) repercussão pela edição passada, no Recife, despertou tanto o interesse da mídia, como de empresários e artistas. O número de delegações que vieram a negócio mais do que dobrou de um ano para outro, passando de 14 para 31. As inscrições de bandas e cantores para o edital que seleciona quem vai tocar no evento passou de 3 mil. Só que, como disse uma cantora, desta vez os organizadores se preocuparam mais com o negócio do que com a música em si. "Se era pra fazer desse jeito, melhor não fazer nada", disse.

Um produtor, que roda o mundo em eventos semelhantes e praticamente todos os festivais nacionais de música, considerou essa edição da Feira um "desperdício de dinheiro". O telão de led "caríssimo", ao fundo do palco, em formato wide, projetando imagens ridiculamente distorcidas por conta da captação de câmeras incompatíveis, foi um dos mais evidentes exemplos de mau uso do dinheiro público (o evento é realizado pela Funarte - Fundação Nacional das Artes, órgão do Ministério da Cultura, com patrocínio da Petrobras).

O diretor executivo da Feira Música Brasil, KK Mamoni, ouviu as diversas queixas levadas pelo repórter, reconheceu falhas e fez sua defesa. A Feira este ano teve orçamento cortado pela metade em relação à anterior, abaixo dos R$ 3 milhões, segundo KK. Essa verba ainda não foi liberada e todas as decisões, para não cancelar o evento, foram tomadas em cima da hora. A grade de programação artística foi fechada uma semana antes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
músicafestivalFeira Música Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.