Feira do Livro de Ribeirão Preto quer atrair 350 mil visitantes

Com o slogan 'Para Viver um Grande Encontro', evento terá diversas apresentações artísticas

Henrique Brás, do Estadão

28 de setembro de 2007 | 15h39

Sem a Bienal do Livro de São Paulo, a 7.ª edição da Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, que começa nesta sexta, 28, e termina em 7 de outubro, torna-se o maior evento do gênero do Estado neste ano. Com o slogan Para Viver um Grande Encontro, a feira terá diversos eventos paralelos, não só voltado à literatura, como shows musicais, dança, teatro, exposições e cinema na praça. A expectativa da organização é atrair cerca de 350 mil visitantes da região. Para isso, um grupo de patrocinadores assegurou o investimento de cerca de R$ 1 milhão na feira. "Acredito no sucesso comercial da feira, não pelas participações de várias prefeituras da região, mas a do próprio público, pois teremos boas opções", diz a presidente da Fundação Feira do Livro, Isabel de Farias. Os homenageados deste ano na feira são o poeta e escritor Vinicius de Moraes, o Rio como Estado e a França como país. O patrono será o lingüista Edward Lopes, que abrirá o Café Filosófico, uma das diversas programações, como o Salão de Idéias, palestras e encontros agendados para o Auditório Meira Júnior, o próprio Theatro Pedro II, o Café do Pedro II e até o Pingüim Cultural (no andar superior da tradicional choperia da cidade). Alguns dos escritores confirmados são Moacyr Scliar, Pasquale Cipro Neto, Sérgio Cabral, Jaguar, Saulo Gomes e Saulo Ramos. Os jornalistas José Luiz Datena, Galeno Amorim (criador da feira ribeirão-pretana), Maurício Kubrusly, Ricardo Kotscho e Caco Barcellos, entre outros, que participam de encontros com o público, assim como o ex-jogador de futebol Sócrates. O ator Paulo Betti falará sobre cinema e até assuntos científicos serão atrações na feira, como As Células-Tronco e Seus Segredos, palestra de Dimas Tadeu Covas, atual diretor técnico-científico da Fundação Hemocentro, da Faculdade de Medicina, da USP, em Ribeirão Preto. Outro nome que chama a atenção é o de Bruna Surfistinha, e a palestra A Visão da Via Campesina Brasil e Internacional sobre Agrocombustíveis, de João Pedro Stédile, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).  Vários filmes ligados à literatura serão exibidos na praça e os shows musicais serão gratuitos, no Palco da Esplanada instalado na frente do Theatro Pedro II. Toquinho apresenta-se sábado, às 21 horas. Mariana de Moraes, neta do homenageado Vinicius cantará na segunda. Corais locais e a Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, que abre o evento às 9 horas, completam a programação. Ao contrário de edições anteriores, a feira já estará aberta durante o dia da abertura.  Cerca de 40 expositores dividirão os mais de 90 estandes montados nas praças XV de Novembro e Carlos Gomes, no centro da cidade. O coreto da praça e Palace Hotel ainda receberão o Espaço Cultural CPFL, com espetáculos que inauguram a trajetória itinerante do projeto bancado pela empresa de energia, saindo pela primeira vez de Campinas. Para a compra de livros, a prefeitura de Ribeirão Preto disponibilizou R$ 240 mil em cheques-livros para as escolas do município.

Tudo o que sabemos sobre:
Feira do Livro de Ribeirão Preto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.