Feira do Livro de Ribeirão abre com recorde

A 3.ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, que será realizada de hoje ao dia 17, deverá ser o maior evento do segmento no Estado neste ano, mantendo a performance do ano passado: 270 mil visitantes e 280 mil livros vendidos. Em espaço físico (16 mil metros quadrados), número de eventos paralelos (mais de mil, desde teatro, exposições, contadores de história, dança, música, cinema, entre outros), de expositores (120) e de escritores (mais de 300), pelo menos, ocorreu um crescimento. "O evento cresceu 40% a mais que no ano passado", assegura o secretário de Cultura de Ribeirão Preto, Galeno Amorim. Grandes nomes da literatura brasileira estão confirmados, além do chileno Antonio Skármeta, autor do romance O Carteiro e o Poeta, sobre o seu compatriota, o poeta Pablo Neruda.Skármeta é o escritor estrangeiro mais conhecido da feira, principalmente porque o seu livro foi transposto para o cinema pelo diretor Michael Radford e concorreu ao Oscar de melhor filme na década passada. Ele participa do Salão de Idéias na quarta-feira, às 19 horas. O mexicano Alejandro Buenrostro divide o debate, às 17 horas de domingo (dia 10), com o patrono da feira, Menalton Braff, que venceu o Prêmio Jabuti de ficção, em 2000, com livro de contos À Sombra do Cipreste (Palavra Mágica). Braff lançará na feira, pela Ática, A Esperança por um Fio, sua estréia na literatura juvenil. O português José Viali Moutinho, o italiano Maurizio Ferrante e o inglês John Lyons são outros estrangeiros convidados.Os principais autores participarão do Salão de Idéias ou do Café Filosófico, além de sessões de autógrafos. Entre os mais de 300 escritores, estão Ziraldo, Ana Maria Machado, Ignácio de Loyola Brandão, Ruy Castro, Marcelo Rubens Paiva e dois estreantes na literatura: o ex-jogador Sócrates e o jornalista José Luís Datena.A Feira Nacional do Livro teve investimento de cerca de R$ 1,3 milhão. A maioria dos gastos foi bancada por patrocinadores e parceiros da Secretaria de Cultura, que organiza o evento com a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Associação Nacional de Livrarias (ANL). A CBL realiza hoje e amanhã, no Hotel JP, o 31.º Encontro Nacional de Editores e Livreiros, um evento que não ocorria desde 1999. A organização da feira homenageará o pintor Cândido Portinari, por seu centenário de nascimento e porque também foi um poeta. Jorge Amado e Waly Salomão são outros homenageados, assim como o Estado da Bahia e o México.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.