"Febre Gaudí" varre a Espanha

Em roupas surradas e com sapatos gastos, um homem baixo e sisudo voltava para casa depois de realizar suas orações cotidianas na igreja matriz de Barcelona. Atravessava o cruzamento das avenidas Gran Via e Bailen, no centro da capital catalã, quando foi pego por um bonde elétrico. Três táxis negaram-lhe ajuda. No anonimato, o arquiteto Antoní Gaudí passou três dias no hospital municipal, ao lado de indigentes, até que um padre amigo o reconheceu e o acolheu. Tarde demais. Era 10 de junho de 1926 e se encerravam ali os dias de um gênio com fama de santo.Nos 150 anos do nascimento de Gaudí (25 de junho de 1852), Barcelona está em festa. A cidade deve ao arquiteto catalão sua projeção internacional. É a única no mundo a ter edifícios modernistas declarados pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade. Cerca de 90% dos turistas que circulam pelas ruas estão ali para ver as obras de Gaudí.A prefeitura de Barcelona, com o apoio do governo estadual da Catalunha, do Ministério de Cultura espanhol e de empresas privadas, transformou o jubileu no Ano Internacional de Gaudí. "Dando continuidade a uma série de homenagens aos arquitetos catalães, decidimos dedicar a programação cultural de 2002 a Gaudí", conta Rossend Casanova, coordenador do evento. "Foram 12,2 milhões de euros, 80 vezes menos que nas programações anteriores."O resultado pode ser visto por qualquer canto de Barcelona, onde se vive uma verdadeira "febre Gaudí". Na La Rambla, uma das principais avenidas da cidade, não se pode andar sem esbarrar em centenas de alemães e japoneses. Nas bancas, catálogos, revistas e cartões-postais com temas de Gaudí são consumidos com predileção. Nas lojas de souvenirs, camisetas coloridas, louças que imitam o mosaico típico do artista e até torneiras lembram o artista celebrado. A alta temporada de turismo começa na semana que vem, mas de março até agora o número de visitantes já superou em 20% o do ano passado. O comissário geral do Ano Gaudí, Daniel Giralt-Miracle, está bastante otimista com o resultado final. Em 2002, espera dobrar os 2 milhões de turistas que normalmente visitam as obras de Gaudí. São 65 exposições (35 delas só em Barcelona), 24 espetáculos, 11 concursos e, até o fim deste ano, 35 livros sobre o artista serão lançados. Mas Joan Bassegoda Nonell, diretor da Real Cátedra Gaudí, na Universidade de Barcelona, alerta sobre as inverdades escritas sobre o arquiteto. "Chegaram a dizer que era maçom, drogado e alquimista." Investigando, o pesquisador foi ver de onde saiu a idéia de que Gaudí tomava mescalina diariamente. "Na verdade, tomava uma dose de café com leite, que, para mim, nao é tão alucinógeno", ironiza. "Penso até em escrever para o ano que vem um livro chamado: Dicionário Enciclopédico das Bobagens Escritas sobre Gaudí no ano 2002." A programação oficial foi inaugurada em março pela rainha Sofia da Espanha, que abriu a primeira de três grandes exposições preparadas para o Ano Gaudí. La Busqueda de la Forma, que estará no Museu d´História de la Ciudad até 29 de setembro, apresenta o universo criativo e técnico do arquiteto. A segunda, montada no Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona até 8 de setembro, Universo Gaudí, aborda o tema da relação entre o arquiteto e a arte. Por último, o Centro Cultural de la Caixa, da Catalunha, destaca seu pioneirismo como designer contemporâneo. Gaudí, Arte y Diseño mostra o cuidado que tinha na criação de móveis e objetos. Mas não só as artes plásticas estão efervescentes. A Orquestra de Cambra de l´Empordá, dirigida por Carles Coll, preparou um festival só com músicos modernistas. A partir de julho, as noites do Parc Guell se transformarão em cenário para os Dias de Danza e a igreja Sagrada Família será palco para Las Noches Musicales. Em setembro, estréia o musical Gaudí, baseado na vida e obra do artista. Até o mundo pop embarcou na euforia da febre Gaudí: o prêmio MTV Europe Music Award 2002, em novembro, terá lugar extraordinariamente em Barcelona. E, para completar, haverá uma série de desenho animado, Los Gaudíns, a ser transmitida para vários países ainda em 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.