Fé e tradição na lente de Pedro Ribeiro

Mais do que um fotógrafointeressado em estudos antropológicos e históricos, PedroRibeiro Moreira Neto é um apaixonado pelas manifestaçõesculturais brasileiras. Há anos, ele utiliza a linguagemfotográfica no registro de temas de interesse cultural. Seusensaios já deram origem a exposições, como Reis e Rainhas noMaracatu e Carnaval, Carnavais, e a um livro, Maracatude Baque Solto. A partir de amanhã, Ribeiro expõe seu maisrecente trabalho, na mostra Rosário no Serro, em cartaz noSesc São Caetano.Em 27 imagens e um painel, o fotógrafo resgata a poucoconhecida festa de Nossa Senhora do Rosário, realizada todoprimeiro domingo de julho na cidade de Serro, em Minas. O que sevê na exposição é o resultado de três anos de visitas aotradicional evento. "A festa acontece desde 1717 e praticamentenão sofreu modificações ao longo dos anos, guardando as cantigase a mesma indumentária", descreve Ribeiro. Além do valorhistórico, o festejo apresenta beleza plástica. "É algoexuberante, bem brasileiro."Padroeira dos negros, Nossa Senhora do Rosário recebehomenagens por todo o País. No Serro, situado no AltoJequitinhonha, as celebrações buscam ritmo no congado e têm comotema central a coroação do Rei e da Rainha, representados pornegros, que foram escolhidos em sua comunidade e comandam oslouvores à Virgem do Rosário. Outros grupos os acompanham: osmarujos, numa alusão aos europeus; os caboclos, representando apopulação mestiça, e, finalmente, os catopês, formado pornegros.Pedro Ribeiro pretende transformar o projeto em livro,mas busca patrocínio. Atualmente, o fotógrafo está envolvido comuma tese de doutorado em História Social pela Universidade deSão Paulo (USP), cujo tema é Famílias Caipiras do Alto Vale doParaíba. Na realidade, ele acompanhou o cotidiano de uma únicafamília que vive naquela região, durante cerca de cinco anos."Trata-se de uma tese de história com narrativa visual, cujabase é documental. No caso, a base documental é minhafotografia." Apesar de acabar de finalizar sua tese, Ribeiropromete continuar seu trabalho com aquela família. A tese tambémdeve originar um livro.Pedro Ribeiro. De segunda a sexta, das 9h30 às 21h30;sábado, das 9h30 às 17h30. Sesc São Caetano. Rua Piauí, 554 B,tel. (11) 4229-8288. Até 9/9. Abertura às 20 horas.

Agencia Estado,

07 de agosto de 2002 | 18h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.