Fause Haten transforma o cotidiano em moda

O universo infantil é fonte de inspiração para Fause Haten, como se ele olhase através dos olhos de uma criança. O mais inusitado de sua coleção é a supresa que se tem ao olhar suas criações de frente e de costas: se por um lado excede nos volumes e tecidos, por outro, deixa o corpo à mostra. As estampas também são destaque, nas peças ou nos acessórios. O estilista não faz uma moda óbvia mas de criador. Cada peça é um mundo à parte. Apesar disso, vários modelos são usáveis. A modelagem de Fause é como uma construção: cheia de pences, drapeados e pontas assimétricas. São vestidos com referência japonesa, que abrem como um leque. Os forros das peças às vezes são mais preciosos do que o externo. As frente-únicas aparecem em várias versões: justas e bordadas ou amplas e volumosas como babadores e golas gigantes. As saias também tem volume e vêm com diferentes comprimentos: atrás mais curto e na frente mais comprido.As estampas são o ponto alto do desfile. Aparecem com desenhos de balas jujubas gigantes, lâmpadas e rabiscos e grafismos. Como na coleção anterior, Fause acerta nos acessórios. Desta vez, ao invés de baguetes e da bolsa feijão, o estilista traz as versões spaguetti: compridas e retangulares. Elas vêm também estampadas ou em camurça e verniz. As botas de cano alto e scarpins fazem o composé com a roupa.As cores são lindíssimas. Verde, amarelo, lilás, vermelho, salmão e azul claro. Os bordados e apliques de cristais Swarovski dão brilho aos looks. Tudo isso num grande mix contraditório de peças mais sofisticadas e esportivas. Os laminados listrados de verde, lilás e amarelo ganham sequência em pantalonas e saias curtas. Fause é uma verdadeira antena parabólica do cotidiano. Transforma tudo o que vê em moda. O resultado é lúdico e chic.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.