Fause Haten leva pop e rock japonês à passarela

A tarde no São Paulo Fashion Week começou com os rapazes de Fause Haten. No cenário, um imenso ramo de folhagens lembrava aquelas alegorias de carnaval, mas como a sala 4, onde foi realizado o desfile, é imensa, até que a composição funcionou bem. Na platéia - com uma generosa fila A -, estava a Mari Alexandre, vestindo a camiseta da campanha Carência Zero (a cara dela isso, não?). Zeca Camargo, do Fantástico, também foi visto. Na passarela, um Fause Haten ainda mais comedido do que nas últimas temporadas. Faz tempo que ele vem "limpando" seu estilo, deixando tudo mais comercial, mais vestível.Desta vez, as referências vêm do oriente, mas do mundo pop e rock japonês. Imagens de mangás, os quadrinhos nipônicos, estampas as peças. Aparecem em uma calça aqui, em uma camiseta ali. A silhueta é justa, mas sem apelação. O trabalho nos jeans se destaca, com versões mais molinhas, com tiras na altura dos joelho, megabolsos nas laterais das pernas (só na altura da panturrilha) e nas lavagens localizadas. O sapato é de caubói, o tricô é manual (atenção para o trenchcoat), a cartela de cores é generosa - há até rosa entre os muitos pretos e brancos. No final, Fause Haten manda todos os modelos para a passarela de cueca (de sua grife, claro, assim como os óculos de grau, que acaba de lançar).Veja galeria de fotos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.