Fábio Motta/Ae
Fábio Motta/Ae

Fashion Rio desfila verão 2011; moda praia é o hit

Três grifes voltam da SP Fashion Week: Blue Man, Isabela Capeto e OEstudio

27 de maio de 2010 | 13h41

Roberta Pennafort - O Estado de S. Paulo

 

RIO - O centenário Porto do Rio recebe a partir desta quinta, 28, as novidades da moda verão 2010/2011. O Fashion Rio trará 34 grifes, sete a mais do que a edição passada. Três delas estão voltando da São Paulo Fashion Week: Blue Man, Isabela Capeto e OEstudio. Para a estreante Triya, é só novidade. "Estou superanimada. O Fashion Rio dá uma visibilidade muito grande. Nossa marca tem tudo a ver com o Rio, fazemos uma moda colorida", diz a estilista paulistana Isabela Frugiuele, da Triya, que preparou uma coleção de moda praia "selvagem".

 

Nica Kessler, uma das apostas de Paulo Borges, o organizador do Fashion Rio e da São Paulo Fashion Week, sabe bem do que a passarela carioca é capaz. "Esse é um mercado muito difícil. O desfile encheu os olhos dos meus clientes, fez a maior diferença. A marca fica em destaque", conta Nica, cujas peças se inspiraram no art déco de Miami Beach, com muitas cores, formas geométricas e tecidos leves.

As três salas do Fashion Rio dão espaço para jovens como Nica (de 28 anos) e Isabela (de 27). No entanto, os desfiles mais esperados dessa edição são das marcas veteranas de moda praia Lenny, Salinas e Blue Man, e dos clássicos cariocas, como Maria Bonita Extra, Cantão e Redley. Hoje, além de Nica, desfilam, a partir das 16 horas, Walter Rodrigues, Mara Mac, Salinas, R.Groove e Acquastudio. A semana de moda termina na terça-feira.

 

Carlos Tufvesson se apresenta na segunda. Suas coleções não têm um tema. Inspiram-se na sua cliente, "urbana, cosmopolita, sensual, forte e independente". "Nossa modelagem está revelando o corpo no limite da elegância", explica Tufvesson, que trocou a SPFW pelo Fashion Rio há três edições.

 

Três perguntas para Paulo Borges

1. O que o público pode esperar do Fashion Rio?

O melhor line up (programação) de todos os tempos. Agora temos uma seleção de marcas focadas e qualificadas. Assumi o evento porque ele tinha problemas.

2. Que tipo de problema?

Uma série de vícios. Era um evento de celebridades, não de moda. Meu trabalho é fazer com que as marcas tenham visibilidade. Para isso foi necessário qualificar, tirar algumas e chamar outras que se identificam mais com o novo perfil do evento.

3. Qual é o novo perfil?

Não queremos marcas que mostrem a vitrine do shopping e, sim, inovação e vanguarda. E que também tenham estrutura comercial para isso.R

Tudo o que sabemos sobre:
Fashion Rio 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.