Fãs se reúnem em Modena para se despedir de Pavarotti

Corpo do tenor italiano chega em sua cidade natal, onde é velado e, no sábado, será enterrado

Efe,

06 de setembro de 2007 | 18h38

O caixão do tenor italiano Luciano Pavarotti, que morreu nesta quinta-feira, 6, aos 71 anos de idade, chegou à catedral de sua cidade natal, Modena, às 21h05 (16h05 de Brasília), onde foi recebido por mais de mil pessoas.  Veja também:Morre Luciano Pavarotti, um dos mais importantes tenores da históriaPavarotti, cantor de voz belíssima, com dicção impecávelLuciano Pavarotti, o tenor inconfundível Piza: Una furtiva lacrima per Pavarotti Pavarotti esteve sete vezes no BrasilOs grandes papéis do tenor Luciano PavarottiHistórias pouco conhecidas do fenômeno PavarottiMorte de Pavarotti provoca comoção na ItáliaTeatro da cidade natal de Pavarotti se chamará Grande Luciano Grandes nomes da música lamentam a morte de Pavarotti Sempre admirei a voz divina de Pavarotti, diz Plácido DomingoNa infância, Pavarotti sonhava em ser craque de futebolOuça trecho de "La Donne È Mobile", da ópera "Rigoletto", de Verdi, na voz do tenor Luciano Pavarotti  Ouça trecho de "Nessum Dorma", da ópera "Turandot", de Puccini, na voz do tenor Luciano Pavarotti  Pavarotti - Nessun Dorma   Os Três Tenores - Nessun Dorma  James Brown & Pavarotti  Luciano Pavarotti - Ave Maria - Schubert  Queen + Luciano Pavarotti - Too Much Love Will Kill You  A última exibição de Pavarotti - Torino 2006 per le Olimpiadi  Ao chegar na praça da catedral, o caixão foi recebido pelas autoridades locais, dentre as quais o prefeito da cidade,Giorgio Pighi. A esposa do tenor, Nicoletta Mantovani, e suas filhas do primeiro casamento, com Adua Veroni, chegaram logo em seguida, em um carro fúnebre. O caixão foi aberto mais de 30 minutos depois de chegar, e centenas de pessoas começaram a entrar na catedral por uma das portas laterais, para render a última homenagem a Pavarotti. A igreja permanecerá aberta até o fim desta quinta, e reabrirá na manhã de sexta-feira. Também será possível visitar o caixão na manhã de sábado, até o horário de 15 horas (10 horas de Brasília), quando a catedral será fechada para a preparação do funeral, previsto para 17 horas (12 horas de Brasília). "Os moradores de Modena são pessoas um pouco frias, e por isso estão calmos. Mas todos sentiram muito a morte deste grande tenor", disse à Efe Angelo, um jovem da cidade de Foggia, no sul. As horas de espera até a chegada do caixão foram marcadas por um respeitoso silêncio, com as centenas de pessoas presentes falando apenas em sussurros. A tensão terminou com um forte aplauso, quando entraram na praça da catedral três carros fúnebres. No entanto, nenhum deles levava o corpo do tenor. Pouco após as 21 horas (16 horas de Brasília), porém, um carro fúnebre passou entre as duas grandes fileiras de pessoas, parando na porta da catedral. Em seguida, o caixão foi levado por alguns homens ao interior da igreja. Neste momento, os presentes irromperam em um novo e forte aplauso. O absoluto silêncio posterior só foi interrompido pelos sons das câmeras fotográficas e dos telefones celulares que tiravam fotos. Para dar o último adeus a Pavarotti, pessoas de todas as idades se reuniram em Modena, desde idosos a grupos de jovens, que chegaram à praça de bicicleta. Além disso, famílias inteiras podiam ser vistas no local. A Polícia montou cercas de segurança para controlar a entrada na catedral. Entre os presentes, todos concordavam que Pavarotti era um orgulho não só para os cidadãos de Modena, mas para todo o país.

Tudo o que sabemos sobre:
Pavarotti

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.