'Família Soprano' e '30 Rock' ganham como melhores seriados

Seriado sobre bastidores da TV, '30 Rock' bateu o favorito 'Ugly Betty' como melhor série cômica

Teresa Ribeiro, do estadao.com.br,

17 de setembro de 2007 | 00h20

A favorita Família Soprano venceu na categoria série dramática, e 30 Rock surpreendeu, ao derrotar Betty, a Feia, ganhando como melhor série cômica, na 59.ª edição do Emmy. A cerimônia do prêmio, que é considerado o Oscar da televisão norte-americana, no Auditório Shrine em Los Angeles, na noite de domingo, 16, foi comandada por Ryan Seacrest, do famoso American Idol.   Veja também: Confira os ganhadores do Emmy Awards Galeria de fotos Cerimônia do Emmy investe no ecologicamente correto Locke de 'Lost' ganha Emmy de ator coadjuvante Atriz de 'My Name Is Earl' leva melhor coadjuvante em comédia Haden Church ganha como coadjuvante em minissérie ou filme Atriz de 'Grey's Anatomy' bate candidatas de 'Família Soprano' Robert Duvall é o melhor ator em minissérie ou telefilme Melhor direção é o primeiro prêmio para 'Família Soprano' 'Bury My Heart at Wounded Knee' ganha melhor filme Helen Mirren leva mais um Emmy de melhor atriz em minissérie 'Ugly Betty' ganha o Emmy de melhor direção em comédia Spader ganha como ator dramático por 'Justiça sem Limites' 'Família Soprano' e '30 Rock' ganham como melhores seriados   A Família Soprano era a campeã de indicações, concorrendo em 15 categorias. Levou três dos principais prêmios, incluindo o de melhor diretor de série dramática, para Alan Taylor e melhor roteiro na categoria, para David Chase, pelo episódio Made in América. Ele concorreu com outros três roteiristas da mesma série.   O seriado criado em 1999, que chegou ao fim em agosto passado, ganhou homenagem especial na festa, com os Jersey Boys, reeditando sucessos do passado, já que a série se passava em New Jersey. O elenco completo subiu ao palco, e a platéia aplaudiu de pé.   O produtor e roteirista da série fez um dos discursos mais divertidos da cerimônia do Emmy que tem um clima menos solene e muito mais descontraído do que a do Oscar. David Chase, após receber o troféu mais importante da noite das mãos da atriz Helen Mirren e agradecer ao elenco e autores da trilha sonora, disse que Família Soprano era um seriado sobre gângsters, mas gângsters que colocam comida na mesa, que educam seus filhos, levam seus filhos ao colégio... e se este país fosse governado por gângsters... quem sabe?   Zebras   Outro grande prêmio da noite, o de melhor série de comédia, tinha como grande favorita Betty, a Feia, que foi indicada em 11 categorias e não 30 Rock, apesar de suas dez indicações. Foi a zebra da noite. 30 Rock é uma sátira aos bastidores da TV nem tão querida pelo público, criada por Tina Fey, que já atuou no famoso humorístico da TV americana Saturday Night Live.   Mas, Betty, a Feia rendeu a America Ferrera o prêmio de melhor atriz cômica. Ela já havia conquistado o Globo de Ouro deste ano na categoria. Com a série, Richard Shepard também levou o Emmy de melhor diretor de série de comédia pelo episódio piloto do programa.   O troféu de melhor atriz coadjuvante em série dramática dado à atriz Katherine Heigl, a Izzie da série Grey’s Anatomy, não foi propriamente uma zebra, mas foi uma surpresa. Ela não só conquistou o primeiro prêmio na primeira indicação, como passou para trás veteranas de Família Soprano, Aida Turturro e Lorraune Bracco, além das colegas de elenco Sandra Oh e Chandra Wilson.   Principais   O papel de um advogado em Justiça sem Limites rendeu a James Spader seu segundo Emmy como melhor ator principal em série dramática, deixando para trás Kiefer Sutherland de 24 Horas (vencedor do ano passado) e James Gandolfini de Família Soprano, dois favoritos ao prêmio. Daí a brincadeira de Spader: "Acabei de sentir que roubei um pacote de dinheiro de uma multidão e a multidão está atrás de mim", disse, ao receber sua estatueta. O prêmio de melhor ator para série cômica ficou com Rick Gervais, por Extras.   Sally Field ganhou o terceiro Emmy de sua carreira como melhor atriz de série dramática em Brothers & Sisters. A atriz arrancou aplausos do público ao dizer que se as mães mandassem no mundo não haveria mais guerra.   Coadjuvantes   Como sempre, a noite começou com os prêmios para os coadjuvantes. O primeiro prêmio da noite foi para Jeremy Piven, eleito o melhor ator coadjuvante em série cômica por seu papel em Entourage. É o segundo ano consecutivo que ele leva o Emmy.   Já o prêmio de melhor ator coadjuvante em série dramática foi para Terry O’Quinn, o ator que interpreta o John Locke de Lost, e que disputou na categoria com seu colega de elenco Michael Emerson.   O melhor ator coadjuvante para minissérie ou filme foi para Thomas Haden Church, por Broken Trail. A vencedora do prêmio de melhor atriz coadjuvante em minissérie ou filme foi Judy Davis, por The Starter Wife.   A vencedora do prêmio de melhor atriz coadjuvante em série cômica foi Jaime Pressly, a Joy Turner de My Name Is Earl.   Online   Se na cerimônia do Oscar o vice-ex-presidente dos Estados Unidos protagonizou uma cena ecológica, no Emmy, Al Gore foi premiado por seus "serviços de TV interativa", por conta de seu canal, Current TV, transmitido a cabo e online desde o lançamento em 2005. Gore, acompanhado do presidente-executivo e seu sócio Joel Hyatt, recebeu longos aplausos da platéia.   A apresentação de Gore foi feita pelo ator de Heroes, Masi "Hiro" Oka, que usou um laptop no palco para conversar online e ao vivo com o diretor do My Space, a maior comunidade virtual do mundo.   Veteranos   O popular cantor norte-americano Tony Bennett protagonizou ao lado de Cristina Aguilera o primeiro número musical da cerimônia, ao qual se seguiriam os prêmios concedidos a ele e a um programa em sua homenagem. Tony Bennett: An American Classic, conquistou o prêmio de melhor especial de variedades ou musical, rendeu ao cineasta Rob Marshall o prêmio de melhor diretor e ao próprio Bennet, de melhor performance individual na categoria.   O ator veterano Robert Duvall foi duplamente premiado. Primeiro, como melhor ator em minisséries ou cinema, por seu papel em Broken Trail. Como se trata de um western para televisão ele brincou com Kiefer Sutherland, que lhe entregou o troféu, dizendo que este também sabia andar bem a cavalo, em alusão aos papéis anteriores do astro de 24 Horas. Duvall subiu novamente ao palco como produtor de Broken Trail, premiada como melhor minissérie de TV.   Filmes na TV   Helen Mirren foi a vencedora do prêmio de melhor atriz em minissérie ou filme para a TV por Prime Suspect. Ela ganhou o prêmio do ano passado por Elizabeth I e pouco depois levou o Oscar da categoria também por interpretar a monarca inglesa em A Rainha.   Este foi o sétimo Emmy da atriz, que em Prime Suspect interpreta Jane Tennison, uma detetive compulsiva, arrogante, e excelente profissional. "Vou falar até aquela música me atrapalhar", disse animada, e fez os agradecimentos de sempre, lembrando que Prime Suspect, que chegou agora a sua parte final, começou em 1991. A produção levou ainda os prêmios de melhor diretor, para Philip Martin e de melhor roteiro, para Frank Deasy.   O prêmio de melhor minissérie ou filme para TV ficou com Bury My Heart At Wounded Knee (Enterrem Meu Coração na Curva do Rio), sobre o massacre dos índios americanos, e foi entregue pela atriz Glenn Close.   Homenagens   A atriz e cantora Queen Latifah, uma das candidatas da noite, subiu ao palco com um vestido vermelho decotadíssimo, para homenagear os 30 anos da série Raízes, o terceiro programa mais visto da televisão norte-americana. Uma série que fala da trajetória de uma família americana negra durante várias gerações desde a escravidão. Parte do elenco de Raízes surgiu no palco e foi aplaudido de pé por toda a platéia.   O presidente da Academia de Artes e Ciências da Televisão, Dick Askin, como de praxe, mostrou as atividades ao longo dos anos em trabalhos beneficentes e de ajuda à sociedade, dando suporte a tropas americanas, às maratonas por crianças deficientes ou campanhas por fazendeiros americanos, entre outras.   Além, é claro, das cenas memoráveis de astros e estrelas da TV que morreram recentemente como Jane Wite, de Papai Sabe Tudo; Joseph Barbera, mestre da animação, Yvone de Carloo, a Lily Monstro da Família Monstro; Bob Carol Jr., autor de I Love Lucy, entre outros.   Com agências internacionais

Tudo o que sabemos sobre:
emmyfamília soprano30 rockugly betty

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.