Vince Bucci/Getty Images
Vince Bucci/Getty Images

Família de Prince pede a Trump que não use mais sua música em atos políticos

O cantor se soma assim a uma longa lista de artistas cujos herdeiros ou eles mesmos solicitaram ao presidente que não utilize suas músicas em atos públicos

EFE

12 Outubro 2018 | 21h38

A família de Prince (1958-2016) pediu a Donald Trump que não use a música do cantor em suas reuniões públicas, como ocorreu em várias ocasiões, embora a lei esteja ao lado do presidente americano.

"Os herdeiros de Prince nunca deram sua permissão ao presidente Trump ou à Casa Branca de utilizar canções de Prince e pediram que parem imediatamente todo uso", tuitou Omarr Baker, meio-irmão de Prince.

Contatado pela agência France Press, o comitê de campanha de Trump não respondeu à solicitação de entrevista.

Segundo a imprensa americana, a equipe de campanha de Trump usou a música mais conhecida do cantor, Purple Rain, em várias reuniões.

Prince se soma assim a uma longa lista de artistas cujos herdeiros ou eles mesmos solicitaram ao presidente que não utilize suas músicas em atos públicos.

Os Rolling Stones, Adele, Neil Young, R.E.M., Aerosmith e Queen, assim como os herdeiros de George Harrison, denunciaram o uso de suas obras durante encontros republicanos.

A família do falecido tenor italiano Luciano Pavarotti também criticou o uso de Nessun Dorma, famosa ária de Turandot de Puccini, em atos de Trump. 

Os políticos americanos podem obter permissão das associações de direitos autorais que os dispensam de solicitar a permissão explícita aos cantores e grupos envolvidos.

O direito americano prevê a possibilidade de um artista pedir que sua música não seja utilizada caso considere "que a campanha dá a entender que o músico (...) apoia o candidato", segundo a associação americana da indústria do disco (RIAA na sigla em inglês).

Vários artistas, entre eles a banda Queen, ameaçaram entrar com uma ação na justiça para impedir o uso de suas canções em atos políticos republicanos, mas ninguém colocou a promessa em prática.

Mais conteúdo sobre:
PrinceDonald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.