Acervo
Acervo

Família de Leminski divulga nota de esclarecimento

Herdeiras do poeta respondem à acusação de censura

O Estado de S. Paulo

17 de outubro de 2013 | 20h14

A viúva e as herdeiras do escritor curitibano Paulo Leminski divulgaram uma nota de esclarecimento rebatendo as afirmações do escritor Domingos Pellegrini, autor de um livro sobre o poeta não autorizado pela família. Na terça, o Estado publicou matéria em que Domingos anunciava sua decisão em colocar o livro que fez sobre o amigo, Passeando por Paulo Leminski, na internet depois de ter insistido com a família para publicá-lo em uma editora. Na nota, assinada pela viúva Alice Ruiz e pelas filhas Áurea e Estrela, a família se refere também à biografia de Leminski, de Toninho Vaz, batizada O Bandido que Sabia Latim, que teve sua mais recente edição impedida de circular pelos herdeiros. A seguir, a íntegra da nota divulgada pela família:

"ESCLARECIMENTO À IMPRENSA

Herdeiras de Paulo Leminski esclarecem questões sobre as obras O Bandido que sabia Latim e Passeando por Paulo Leminski 

(Curitiba, 17 de outubro de 2013) - Paulo Leminski chegou à projeção que existe hoje graças a diversas iniciativas que promovem a obra do artista. Cabe às herdeiras, Alice Ruiz, Aurea Leminski e Estrela Ruiz Leminski, tratar de questões editoriais das obras e também diversos projetos (exposição, peças teatrais, filme, documentário, discos, acervo digital, etc.) nos quais colaboram direta ou indiretamente. Juntas, mãe e filhas têm o direito por lei de serem consultadas em qualquer projeto ligado ao Paulo Leminski que venham a prover lucro a terceiros.

Em resposta às recentes publicações sobre a não-autorização da quarta edição da biografia O Bandido que sabia Latim, do jornalista Toninho Vaz, e do livro Passeando por Paulo Leminski, do autor Domingos Pellegrini, as herdeiras de Paulo Leminski se posicionam: 

"O Bandido que Sabia Latim", Toninho Vaz

Há 14 anos propusemos para o jornalista Toninho Vaz, amigo pessoal da família, escrever a biografia O Bandido que sabia Latim. Desta obra, que tem como base uma entrevista de 120 laudas de Alice Ruiz, além de diversos esclarecimentos por telefone e e-mail, nunca fez parte do acordo o recebimento de direitos autorais e só lemos a versão final quando já estava publicada. Depois de três edições, em 2009 a obra saiu de catálogo por anos por um desentendimento entre o escritor e a editora Record. O rompimento do jornalista com a editora anulou o contrato que continha a autorização das herdeiras para a publicação da obra.

Primeira violação dos direitos das herdeiras

Logo depois do lançamento do livro Toda Poesia fomos surpreendidas com notícias sobre a reedição da obra O Bandido que sabia Latim através da Editora Nossa Cultura. Tivemos conhecimento do fato, quando a editora, por precaução, nos procurou para confirmar se havíamos autorizado uso das imagens e dos poemas para a nova edição. Nessa altura, as negociações para publicação estavam bem adiantadas: Toninho Vaz já havia assinado o contrato com a editora assumindo a responsabilidade de possuir autorização para a publicação de todo conteúdo da obra e chegou a receber um adiantamento da editora, o qual teve que ser devolvido por descumprimento de cláusula contratual. 

Segunda violação dos direitos das herdeiras

Quando o escritor ofereceu a obra à Nossa Cultura seria para uma reedição sem alteração do conteúdo já publicado. Porém, na fase de revisão, Toninho Vaz solicitou que um parágrafo fosse incluído no livro e foi quando a editora nos procurou para informar da modificação na obra original.

O ‘novo trecho’ tratava do detalhamento das condições da morte (suicídio) do irmão de Paulo, Pedro Leminski, fato que, acreditamos, não contribui para elucidar a personalidade e obra do biografado. Além disto, não concordamos com a atitude de explorar fatos trágicos.

Foi quando, então, diante destes dois episódios que desrespeitam nosso direito de sermos consultadas em qualquer projeto ligado ao Paulo Leminski que venham a prover lucro a terceiros, que decidimos não assinar a autorização à publicação da obra. Isto aconteceu em junho de 2013, no entanto, somente no início de outubro tornou-se público quando Toninho Vaz passou a noticiar à imprensa a não-autorização, omitindo parte dos acontecimentos como a inclusão de novo trecho na obra (matéria veiculada dia 12 de outubro de 2013, no http://www.fabiocampana.com.br/, que, após nosso contato, foi alterada).

Ainda através da imprensa, Toninho Vaz afirmou que aprofundar o tema (o novo trecho incluso) não era morbidez (matéria veiculada dia 12 de outubro de 2013, Folha de São Paulo) e buscou ‘forjar’ um conflito que inexiste entre a família, alegando que - por telefone - Elly e Ellynha Leminski estariam contrárias a nós (matéria veiculada dia 12 de outubro de 2013, O Globo).

"Passeando por Paulo Leminski", Domingos Pellegrini

Em decorrência do distrato da editora Nossa Cultura com Toninho Vaz no afã de haver mais relatos sobre Paulo Leminski, propusemos para o escritor Domingos Pellegrini criar uma nova biografia. Mas no meio do processo, Pellegrini recuou e rompeu o acordo com a editora. Dois meses depois, fomos informadas pela editora Record que ele havia iniciado um outro livro, de relatos, o qual recebemos para análise em meados de julho de 2013 – época que coincidiu com o a montagem da exposição Múltiplo Leminski, em Foz do Iguaçu. Nossa ‘relativa’ demora em responder Pellegrini sobre a obra recebida fez com que ele nos ameaçasse causando um constrangimento e, ao único movimento que Alice fez para conversar sobre o livro, Pellegrini não respondeu:

Trecho do e-mail enviado por Alice Ruiz para Domingos Pellegrini em 05/10/2013

"A ênfase no álcool, sua leitura de uma ‘precariedade’ de bens em nossa casa (você nunca ouviu falar em contra-cultura?) as observações exageradas sobre ‘falta de banho’, que corresponde a um período de maiores excessos, mas que foi superada, enfim, tudo isso serve para criar uma imagem bem negativa do Paulo em contraponto à sua, que aparece como O interlocutor por excelência e cheio das qualidades que supostamente ‘faltavam’ a ele. (…) Achamos – nós três - que se você estiver disposto a ‘ressuscitar’ o Dinho, aquele cara que era amigo do Paulo, deixando o ego de lado, e revendo essas questões, o livro merece ser publicado. Caso contrário, não poderemos autorizar, nem a publicação das imagens e nem a publicação dos inúmeros textos dele. (...)" 

EM SUMA

1. Não houve qualquer ação judicial para impedir a publicação das referidas biografias;

2. Houve um mero comunicado encaminhado à editora Nossa Cultura declarando que os familiares não autorizavam a publicação;

3. A não autorização se dá por dois aspectos:

a) Pela ausência de autorização expressa aos escritores para inclusão de imagens e poemas de Paulo Leminski, direitos pertencentes às herdeiras, garantidos pela Lei de Direitos Autorais;

b) Pela inclusão de trechos nas biografias que violam a intimidade e honra do poeta, bem como da própria família, direitos personalíssimos assegurados constitucionalmente;

4. A Editora Nova Cultura e Editora Record não criaram óbices à oposição das herdeiras, sendo que apenas os escritores estão se insurgindo em relação à decisão;

5. Nós estamos e sempre estivemos abertas ao diálogo e acreditamos que esse é o melhor caminho para qualquer questão, em especial quando se trata da memória de alguém que não está aqui para se posicionar a respeito.

Sem mais para o momento, lamentamos que a falta de diálogo pessoal tenha vindo à imprensa, em um momento que a memória de Leminski e a difusão de sua obra, que é o que efetivamente o torna o artista fundamental que é, estão em franca ascensão graças às diversas ações da família, amigos, fãs e estudiosos de todo país.

Alice Ruiz, Aurea Leminski e Estrela Ruiz Leminski"

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.