Família de Bob Marley vai emprestar nome do cantor para marca de maconha

Cantor morreu de câncer em 1981 aos 36 anos de idade

REUTERS, O Estado de S. Paulo

18 de novembro de 2014 | 13h00

A família do ícone reggae Bob Marley e uma empresa de fundos de participação sediada em Seattle, nos Estados Unidos, informaram nesta terça-feira que estão lançando a primeira marca global de maconha com produtos vendidos com o nome do cantor, verdadeiro porta-voz da planta que ele chamava carinhosamente de “a erva”.

O surgimento da Marley Natural marca a primeira vez em que o nome da família irá adornar embalagens de produtos de maconha, que irão das mudas semelhantes àquelas que Bob pode ter fumado em sua Jamaica natal a concentrados, óleos e loções, que serão vendidos em países e em Estados norte-americanos que adotaram medidas para descriminalizar e legalizar o uso e a venda de maconha.

Marley, a quem se credita ter ajudado a disseminar a música jamaicana para um público mundial com sucessos como No Woman, No Cry e I Shot the Sheriff, morreu de câncer em 1981 aos 36 anos de idade.

"Ele via a erva como algo espiritual que poderia despertar nosso bem-estar, aprofundar nossa reflexão, conectar as pessoas à natureza e liberar nossa criatividade”, disse Cedella Marley, filha de Bob, em um comunicado anunciado o acordo.

O negócio veio à tona semanas depois que dois Estados dos EUA votaram pela legalização da maconha para uso recreativo, abrindo espaço para lojas de venda direta ao consumidor semelhantes às que já operam no Colorado e em Washington.

A venda de maconha continua ilegal na maior parte do mundo, mas vários países da Europa e das Américas descriminalizaram a erva em graus variados.

A Holanda permite a venda de maconha em “cafeterias”, Israel e o Canadá e quase metade dos Estados norte-americanos liberaram seu uso medicinal e o Uruguai legalizou seu uso.

Nos EUA, a maconha ainda é proibida pela lei federal. O Departamento de Justiça e a Administração de Aplicação de Drogas (DEA, na sigla em inglês) não responderam de imediato a pedidos de entrevista sobre os planos.

A Marley Natural provavelmente estará disponível na maconha e em outros produtos e acessórios no final de 2015, segundo o termo de licença global de 30 anos acordado entre a família e a empresa Privateer Holdings.

A marca, uma subsidiária sediada em Nova York, irá produzir e vender tópicos e acessórios de maconha em países de todo o mundo e pode assinar acordos de licenciamento que regulam as exigências de produção e embalagem com cultivadores e processadores que vendem maconha e produtos com infusões da erva em Estados dos EUA, entre outros planos.

Em 2009, a família de Bob Marley disse que iria entrar em parceria com a empresa de fundos de participação Hilco Consumer Capital para licenciar produtos que iriam de roupas a vídeo games.

Tudo o que sabemos sobre:
Bob Marleymaconha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.