Família Brasil O Pires

Márcia deixou Paulo por outro homem. Paulo não gostou, mas se resignou. Márcia era uma mulher livre. Uma mulher independente. E o namoro dos dois já estava mesmo na hora de acabar.

Luis Fernando Veríssimo,

04 de dezembro de 2011 | 03h07

As amigas comentaram que, para tirar a Márcia do Paulo, o outro teria que ser um homem e tanto. O Paulo era bonito, inteligente, simpático, bem educado, bem-humorado, atencioso e elegante, além de compreensivo. Cozinhava bem ajudava na decoração, tinha bom gosto, boa voz, bom ouvido e - nisso todas concordavam - era muito bom de cama.

A grande curiosidade de todos passou a ser quem era o outro. O que o outro tinha que o Paulo, que era perfeito, não tinha? Por isso houve um choque generalizado quando a Márcia apareceu com um gordinho chamado Pires e o apresentou como "Meu namorado", dando um tapinha na sua careca, que batia no seu ombro.

Ninguém ficou mais chocado do que o Paulo. Na primeira oportunidade, chamou Márcia para uma conversa.

- Marcinha, você não pode fazer isto comigo.

- O que eu fiz?

- Me trocou por esse Pires. Pense no que vão dizer.

- De quem?

- De mim!

Um homem é julgado por quem o substitui, argumentou Paulo.

- Acho que eu tenho direito a uma explicação.

- Nós nos amamos.

- O que ele tem que eu não tenho?

- Nada.

- É cama, acertei? Ele é um animal na cama. Quando apaga a luz, se transforma numa máquina de sexo. Melhor do que eu. É isso?

- Não sei.

- Como, não sabe?

- Nós ainda não transamos. Ele diz que só depois do casamento.

- Vocês vão se casar?!

***

E aconteceu o seguinte. Paulo começou a espalhar informações falsas sobre o Pires. A caluniá-lo ao contrário, inventando qualidades que o tornavam irresistível às mulheres. Ele era uma máquina de sexo. Também era uma potência intelectual, um nome respeitadíssimo no mundo da pesquisa molecular com vários trabalhos publicados, talvez o brasileiro com maiores possibilidades de ganhar o Nobel num futuro próximo. E era riquíssimo, embora não gostasse de ostentar sua riqueza. Um homem e tanto.

***

Pires perguntou para Márcia se deveria processar o Paulo quando este sugeriu seu nome como candidato à Academia Brasileira de Letras e, por que não? a um cargo eletivo, já que a política nacional precisava de alguém com seus dotes extraordinários, talvez até na presidência. Mas processar como, se ele não estava sendo difamado?

Decidiram esperar que o ego do Paulo esfriasse.

Tudo o que sabemos sobre:
Luis Fernando Veríssimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.