Família Brasil Estátuas

Há uma estátua do Carlos Drummond de Andrade sentada num banco da Praia de Copacabana, uma estátua do Fernando Pessoa sentada em frente ao café "A Brasileira" em Lisboa, uma estátua do Mário Quintana sentada num banco da Praça da Alfândega de Porto Alegre. Salvo um cataclismo inimaginável, as três estátuas jamais se encontrarão. Mas, e se se encontrassem?

O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2011 | 03h09

- Uma estátua é um equívoco em bronze - diria o Mário Quintana, para começar a conversa.

- Do que nos adianta sermos eternos, mas imóveis? - diria Drummond.

Pessoa faria "sim" com a cabeça, se pudesse mexê-la. E acrescentaria:

- Pior é ser este corpo duro sentado num lugar duro. Eu trocaria a eternidade por uma almofada.

- Pior são as cãibras - diria Drummond.

- Pior são os passarinhos - diria Quintana.

***

- Fizeram estátuas justamente do que menos interessa em nós: nossos corpos mortais.

- Justamente do nosso exterior. Do que escondia a poesia.

- Do que muitas vezes atrapalhava a poesia.

- Espera lá, espera lá (Drummond) Minha poesia também vinha do corpo. Minha cara de padre era um disfarce para a sensualidade. Minha poesia dependia do corpo e dos seus sentidos. E o sentido que mais me faz falta, aqui em bronze, é o do tato. Eu daria a eternidade para ter de volta a sensação na ponta dos meus dedos.

Pessoa:

- O corpo nunca ajudou minha poesia. Eu e meus heterônimos habitávamos o mesmo corpo, com a sua cara de professor de geografia, mas não nos envolvíamos com ele. Nossa poesia era à revelia dele. E fizeram a estátua do professor de geografia.

Quintana:

- Pra mim, o corpo não era nem inspiração nem receptáculo. Acho que já era a minha estátua, esperando para se livrar de mim.

***

- Pessoa - diria Drummond - estamos há meia hora com você nesta mesa do Chiado, e você não nos ofereceu nem um cafezinho.

- Não posso - responderia Pessoa. - Não consigo chamar o garçom. Não consigo me mexer. Muito menos estalar os dedos.

- Nós também não...

- Não posso reagir quando sentam à minha volta para serem fotografados, ou retribuir quando me abraçam, ou espantar as crianças que me chutam, ou protestar quando um turista diz "Olha o Eça de Queirós"...

- Em Copacabana é pior - diria Drummond. - Fico de costas para a praia, só ouvindo o ruído do mar e o tintilar das mulheres, sem poder me virar...

- Pior, pior mesmo - diria Quintana - é estar cheio de poemas ainda não escritos e não poder escrevê-los, nem em cima da perna.

Os três concordam: o pior é serem poetas eternos, monumentos de bronze à prova das agressões do tempo, fora poluição e vandalismo - e não poderem escrever nem sobre isto.

As estátuas de poetas são a sucata da poesia.

E ficariam os três, desolados e em silêncio, até um turista apontá-los para a mulher e dizer.

- O do meio eu não sei, mas os outros dois são o Carlos Gardel e o José Saramago.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.