Faixa lembra os artistas que o imitam

A cada novo lançamento de pop-rhythm and blues que ouço, as músicas de Michael Jackson soam melhores. Mesmo as sobras de estúdio. Gênio é gênio. Breaking News parece vir de sua safra pós-Dangerous, último grande disco gravado por ele. Fácil compreender na primeira audição por que optou por não lançá-la. Absolutamente comum para seus padrões, lembra um pouco os artistas que o imitam, citando a si mesmo sem adicionar frescor criativo nenhum. É mais uma ego-trip do que uma jornada musical. Só não compreendi a razão de questionarem se a voz gravada é dele ou não. Inconfundível, traz as características bem percussivas e rascantes que passaram a fazer parte de sua personalidade vocal a partir dos anos 90. Se não for MJ, contratem esse cara agora. Fazendo uma lista com os dez itens que colocaram sua carreira no corner, está em primeiro lugar a decisão de só gravar composições próprias. Quando tudo ia bem não era assim. Quatro, cinco músicas por álbum estava bom demais. A canção está para a música assim como o roteiro para o teatro e o cinema. É vital.

João Marcello Bôscoli, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2010 | 00h00

Vivendo dentro de uma bolha, hipnotizado pelo espelho e distante da realidade, de que experiências humanas sairiam suas canções nos últimos tempos, por exemplo?

Quando ele cantou a ultra-sexual Rock With You, foi mágico. Parecia viver aquilo. Quando gravou Rock My World, foi inverossímil. Simples como isso. Billie Jean foi composta por ele enquanto dirigia seu carro de madrugada na Rodeo Drive, em Los Angeles; nos anos 70, frequentava as loucuras do Studio 54 (NY) e criou Don"t Stop"til You Get Enough. Restou pra ele compor sobre a mídia mundial e todos "querendo um pedaço de Michael Jackson"? Com uma agenda de vida que deixou pouco espaço pra música, graças a uma quantidade de poder e dinheiro que sabidamente estragam as pessoas, MJ parecia Ronaldo: educado, carismático e genial, mas, como todo rei, sozinho e completamente empapuçado de si. É muito difícil ser um mito vivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.