Fachada do Guggenheim de Bilbao sofre oxidação

Três anos depois da inauguração do Museu Guggenheim de Bilbao, a fachada de titânio da pinacoteca criada pelo arquiteto canadense Frank O. Gehry mostra manchas roxas, que aparentam ser oxidação. Genry publicou um artigo no jornal americano The New York Times, reproduzido hoje pela imprensa espanhola, no qual se diz perturbado com o que acontece no museu. A obra custou cerca de US$ 150 milhões, e serve de modelo para um novo museu para a Fundação Guggenheim em Nova York, que também seria construído com titânio. O diretor da pinacoteca, Juan Ignacio Vidarte, disse ter contratado uma empresa especializada para estudar as manchas e desenvolver um produto capaz de eliminá-las, o que deve acontecer, segundo o diretor, "em dois ou três meses".

Agencia Estado,

10 de janeiro de 2001 | 18h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.