Expressão Niilista

Dardará, de O.C. Louzada Filho, trata da falência narrativa

MOACIR AMÂNCIO É PROFESSOR DE LITERATURA DA USP, AUTOR DE ATA (RECORD), O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2012 | 02h12

MOACIR AMÂNCIO

A novela Dardará, de O.C. Louzada Filho, de 1965, sai em segunda edição, após um longo e injusto esquecimento, quando se considera sua atualidade e fatura literária. Trata-se de uma síntese estético-política precisa, na clave da falência da narrativa - que valor comum estaria no pacto com o leitor para legitimar o texto? Há um engenheiro escritor dividindo o tempo entre a literatura e a construção de uma ponte sobre o mar. Um quilombo no trajeto seria problema, mas isso nada significa para o executor da obra, assim como o que ele escreve também não deve ser nem ao menos uma busca vaga de sentido e sim um discurso que se esgota em si. Esse niilismo descartável incide na sua relação com uma cantora, com quem visita uma mostra de arte. A novela vai do vernissage à ponte e a alguns momentos de escrita. Um vazio sobre o outro: não haverá confronto com o quilombo, "apenas" destruição e morte. Ordens são ordens - e para cumpri-las o engenheiro deve concluir a tal ponte sem atentar para nada.

A linguagem porém se revela permeável às tensões e se denuncia pelo travamento do discurso, independentemente do engenheiro escritor, ele sim objeto frente à máquina de escrever. Essa linguagem não está colocada em xeque por um grito, mas por um murmúrio, o "hum, hum" do líder do quilombo, expressão de dúvida e ansiedade apontando para um futuro incógnito anunciado pelos passos de uma tartaruga representada nas colagens da mostra - o enigma do tempo persiste. É como se todo o texto se fixasse nesse murmúrio, com a significação inoculada pelo grunhido que se projeta pelo texto. Uma viagem renovada ao coração das trevas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.