Exposição traz mapas e cartas náuticas

A exposição Mapas e Cartas Náuticas que fica à mostra a partir de amanhã (12) no Nóbrega Antiquário é modesta no nome. As 150 peças da exposição são, de fato, mapas, obras cartográficas que, na maioria, registram características topográficas, marinhas, territoriais e até arquitetônicas.Mas esses trabalhos, na maior parte gravuras em metal que ocuparam durante anos páginas de atlas dos séculos 16, 17 e 18, trazem informações históricas e antropológicas do ponto de vista às vezes fantástico dos artistas encarregados da missão de confeccioná-los. Não são raros os mapas trazerem personagens de episódios históricos ou habitantes desproporcionalmente dimensionados nas chapas.É o caso, por exemplo, de Insvlae Rio Iavero, gravura de formato pequeno extraída de um antigo livro do século 17. Nela, o gravador Teodoro de Bry "descreve" a Baía de Guanabara como uma ilha povoada de morros íngremes e construções que nunca existiram no local.Outra implicação dessas obras é o registro histórico. "Alguns trabalhos descrevem momentos importantes da história brasileira, como a invasão holandesa", comenta o organizador da mostra e dono do antiquário, Claudino Nóbrega. Rotas de bandeirantes, hidrovias e invasões decorrentes de guerras ocorridas naqueles três séculos e também nos anteriores são outras curiosidades que podem ser vistas pelos espectadores.A diversidade de traços, abordagens e pontos de vista é outra curiosidade da coleção, um conjunto que passa o interesse geográfico. As obras podem ser tidas como originais, uma vez que pertencem a tiragens de, no máximo, cem chapas. Os mapas e as cartas estarão em exposição até o dia 31 e à venda no antiquário por preços que vão de 500 reais a R$ 4 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.