Exposição reúne obras inéditas de Brecheret

Uma das seis esculturas inéditas da exposição Victor Brecheret - Desenhos e Esculturas, que será aberta amanhã em São Paulo, é um São Francisco com 2,2 metros de altura, feito em 1955 mas reproduzido apenas em 2002. O longo tempo entre o início e a conclusão da obra tem explicação. É que na técnica do bronze, pela qual foram feitas todas as obras da exposição do Espaço 689, o escultor produz uma matriz em gesso e a partir dela faz uma forma. A forma é usada para fazer reproduções com bronze fundido. Brecheret concluiu a matriz de seu São Francisco pouco antes de morrer, há 47 anos, mas não chegou a fundi-la em bronze.Pode-se pensar que assim as esculturas perdem o valor de uma obra original. A curadora Mônica Filgueiras explica que não. "Existe uma convenção internacional que estabelece um número máximo de seis cópias de cada matriz para esculturas em bronze. Cada réplica constitui uma obra tão importante como o original, porque vem com um documento assinado pela Fundação Victor Brecheret em que constam o memorial da peça e seu número na tiragem de seis exemplares". Segundo ela, o Museu Rodin e outras instituições que cuidam da obra de escultores usam o mesmo procedimento.A praxe entre os escultores é não assinar a matriz, apenas as cópias em bronze. Nesse caso, valem o documento e o número da tiragem para comprovar a autenticidade da obra. Mas justamente o São Francisco de Brecheret, a principal e mais cara obra da exposição, tem assinatura. Estará à venda por R$ 450 mil. A média de preço para os trabalhos da exposição será de R$ 25 mil a R$ 160 mil para as demais esculturas e R$ 6 mil para os 20 desenhos.Victor Brecheret. De segunda a sexta, das 10 às 19 horas; sábado, das 10 às 14 horas. Espaço 689. Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 689, tel. 3062-3808. Até 16/6. Abertura amanhã, às 20 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.