Exposição na casa de García Lorca revela intimidade do poeta

Mostra em Granada, na Espanha, reúne trabalhos de 31 artistas plásticos.

Anelise Infante, BBC

27 de novembro de 2007 | 07h00

A casa de Federico García Lorca em Granada, no sul da Espanha, foi reaberta nesta semana com uma exposição que mostra a intimidade de um dos poetas mais famosos da língua espanhola e autor de peças teatrais como Bodas de Sangue, Yerma e A Casa de Bernarda Alba. A mostra Everstill/Siempre Todavia (Sempre Ainda, em tradução livre) revela a visão de 31 artistas plásticos de diversos países sobre a obra e a vida do poeta e marca a largada para os eventos de 2008, ano de celebração do centenário de nascimento de Lorca.Entre os trabalhos em exposição estão duas peças da artista brasileira Rivane Neuenschwander. Segundo o curador da mostra, o suíço Hans Ulrich Obrist, o objetivo do projeto é recriar o universo do poeta, formando um elo entre a literatura e as artes plásticas.Os artistas passaram dias na casa do escritor para encontrar a inspiração e entender o ambiente de Lorca."A intimidade de uma casa é bem diferente da de um museu. Por isso é tão sugestiva para os artistas. Facilita um diálogo sutil com o personagem e o lugar", diz Obrist. O trajeto da exposição é um passeio por todos os cômodos da casa, que foi residência da família Lorca desde 1926 até o início da Guerra Civil espanhola, em 1936, quando o poeta foi assassinado por nacionalistas, acusado de subversão - Lorca simpatizava com os socialistas e era homossexual.Os artistas britânicos Gilbert & George deitaram-se na cama do escritor e decidiram se fotografar nela para criar a peça Na cama com Lorca.Debaixo da escada, a australiana Koo Jeon-a recriou a roupa preferida do poeta, um uniforme de marinheiro.Um quadro da espanhola Cristina Iglesias decora a sala de piano, onde também fica o tapete azul da americana Sarah Morris, feito por livros biográficos de escritores que ela associou a Lorca, como Fernando Pessoa, Reinado Arenas e Marguerite Duras.As peças de Rivane Neuenschwander estão no escritório. Uma folha branca de papel deixada sobre a máquina de escrever do poeta evoca o silêncio da ausência de Lorca.A outra obra da brasileira é uma colcha bordada com pássaros em alusão à liberdade, segundo o curador da mostra. A exposição é acompanhada por uma trilha sonora. Canções compostas pelo músico de flamenco espanhol Enrique Morente são ouvidas em todos os cômodos da casa.A mostra estará em Granada até maio, quando terá uma segunda fase com novos artistas, e seguirá para Madri em setembro de 2008.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.