Exposição mostra o Brasil visto por europeus

O povo, as belezas naturais e a geografia do Brasil sempre causaram fascínio entre os europeus,desde os tempos do Descobrimento. A prova disso está documentada na 10ª edição da exposição Old Prints, cuja abertura ocorre nesta terça-feira, a partir das 19 horas, no Transatlântico Club. O acervo iconográfico da mostra agrega cerca de 250 gravuras e mapas antigos originais, que datam dos séculos 16 ao 19.As obras são de Debret, De Bry, Franz Post, Blaeu, D´Anville e outros artistas. As gravuras remontam ao período colonial, marcado, entre outros acontecimentos, pelas capitaniasportuguesas, a invasão holandesa e as missões científicas e artísticas. "Naquela época, a Europa estava interessada pelo Brasil. Por isso, as missões eram patrocinadas pelos soberanos etraziam viajantes para cá, entre pesquisadores e artistas", diz o curador da exposição, Dominique Edouard Baechler.Dominique explica que o estado de êxtase deles diante das maravilhas brasileiras ficou impressa em seus trabalhos. Tinham predileção por enfocar fauna e flora, cenas do cotidiano, personagens, montanhas, rios e portos. "Era um universofascinante", observa ele.Resultado: obras nitidamente concebidas sob o olhar subjetivo do estrangeiro. De acordo com o curador, enquanto alguns artistas retratavam índios e escravos de forma fiel, outros os atribuíam traços europeus. "Estes estavam aindaaprisionados ao padrão de beleza clássica."Aqueles que eram contrários à escravidão, por exemplo, denunciavam o sofrimento do negro. Enquanto isso, os artistas favoráveis à existência de escravos mostravam negros e índioscom feições quase animalescas.Pintor oficial da corte do imperador d. Pedro I, ofrancês Jean Baptiste Debret, quando não estava incumbido de retratar a nobreza, dedicava-se a observar e registrar em suas obras cenas do dia-a-dia e tipos humanos. "Quando ele retornou para Paris, suas litogravuras fizeram um grande sucesso", comenta o curador. No segmento de mapas, poderão ser encontradas peças que reproduzem o Brasil e alguns países da América do Sul, como Argentina e Chile.Colecionador - Mostras semelhantes à Old Prints costumam ser chamarizes de apreciadores de arte, colecionadores ou meroscuriosos. "Esse é o décimo ano da exposição e já criou um público cativo", garante Dominique Edouard Baechler. "E essas obras estão cada vez mais difíceis de serem encontradas, são muito procuradas."Todas as peças em exposição na Old Prints estão à venda, com preços que variam de R$ 300,00 a R$ 18 mil. As gravuras vêm com molduras, passe-partouts e material apropriado para conservação.10.ª Edição da Old Prints. Diariamente, das 8 às 22 horas. Club Transatlântico. Rua José Guerra, 130, tel. (11) 5181-8600. Até 22/11. Abertura amanhã, às 19 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.