Exposição festeja 51 anos da TV brasileira

Quem se lembra dos bem-humoradosprogramas do "velho guerreiro" Chacrinha? Dos convidados deManoel de Nóbrega que sentavam no banco da Praça da Alegria?Ou ainda da época em que toda a programação da televisãobrasileira ia ao ar ao vivo? Para refrescar a memória dossaudosos - ou revelar os tempos áureos da telinha para quem nemera nascido -, a exposição Janela Mágica traçará, a partirde amanhã, uma retrospectiva dos 51 anos da TV brasileira,por meio de cerca de 267 fotografias e depoimentos de 30personalidades do meio.Pelo local, estarão dispostos 24 painéis, que destacarãotemas relacionados ao universo da tevê, entre eles programasinfantis e novelas. "Colhemos depoimentos de pessoas comoFaustão, Hebe Camargo e Marisa Orth, perguntando a eles o que ételevisão do bem e do mal e o que eles esperam do futuro dela",descreve a curadora da mostra, Vida Alves, atriz queprotagonizou o primeiro beijo na telinha.Indagada sobre as mesmas questões, Vida se mostrouconvicta e segura em suas respostas. "Para mim, televisão dobem é aquela que me educa e diverte, enquanto a do mal é a queme aborrece." Para o futuro, a curadora espera que a TV resgatesuas raízes e volte a privilegiar o entretenimento e a educação."Não deve existir essa disputa por audiência", acredita ela."Cada vez mais, a TV não está satisfatória, mas seria injustiçanegarmos que ela trouxe benefícios, ao esclarecer a importânciada amamentação infantil e ensinar a população a preparar sorofisiológico."A exposição Janela Mágica, que faz parte de umasérie de ações patrocinadas pela Dana Cultural, será itinerante.Parte das imagens da mostra integram o acervo de 1.500fotografias da Associação dos Pioneiros Profissionais eIncentivadores da Televisão Brasileira, da qual Vida Alves éfundadora.Há pouco mais de quatro anos, a entidade sonha em abriro primeiro Museu da Televisão. "Eu comecei a ficar bemconfiante no projeto", afirma Vida. Há duas semanas, ela teveuma reunião com o secretário de Estado da Cultura, MarcosMendonça, além de um diretor da Rede Globo, um publicitário deuma agência de propaganda e um arquiteto.Segundo Vida, já está definido um local para o museu,localizado nas imediações da Praça da Sé. "O Brasil não temnada do gênero", diz. Além de objetos e fotografias históricas,o Museu da Televisão deverá abrigar encontros com artistas epalestras ligadas à TV e ao rádio. "Vou começar a pedir para aspessoas me doarem objetos para o lugar."Janela Mágica. Diariamente, das 9 às 22 horas. EspaçoCultural Conjunto Nacional. Avenida Paulista, 2.073. Até 24/11.Abertura amanhã (06), às 9 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.