Exposição em Paris liga esculturas de Rodin a fotos de Mapplethorpe

Uma nova exposição que explora as conexões entre o venerado escultor francês Auguste Rodin e o polêmico fotógrafo norte-americano Robert Mapplethorpe levou um pouco da Nova York dos anos 1980 a Paris.

Reuters

11 de abril de 2014 | 14h51

Nascidos em séculos diferentes e de lados opostos do Atlântico, a justaposição dos dois artistas pode parecer forçada a princípio.

A maior parte do trabalho de Mapplethorpe envolve nus monocromáticos de modelos masculinos - com frequência seus amantes - , enquanto Rodin é celebrado como escultor moderno e pioneiro da segunda metade do século 19, cujas obras-primas incluem "O Pensador" e "O Beijo".

Apesar das diferenças entre os artistas, a curadora da exibição, Hélène Pinet, disse haver razões válidas para unir os dois sob o mesmo teto na exposição recém-inaugurada no Museu Rodin.

"Colocamos os dois juntos porque eram ambos apaixonados pelo corpo humano", declarou Pinet à TV Reuters. "Ambos expressaram isso, um na fotografia e outro na escultura, e ocorre que desenvolveram um vocabulário comum".

A semelhança de forma é arrebatadora. Ecos do famoso "Homem Andando" de Rodin - que não tem cabeça nem braços - são encontrados no estudo "Michael Reed", de Mapplethorpe, que mostra um homem andando com a cabeça e os braços envoltos em sombras.

A exibição, que vai até 21 de setembro, acontece ao mesmo tempo que uma retrospectiva mais abrangente de Mapplethorpe no Grand Palais de Paris, e os dois eventos contaram com empréstimos da coleção Robert Mapplethorpe.

(Por Johnny Cotton)

Tudo o que sabemos sobre:
ARTEPARISRODIN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.