Exibição de fotógrafo mostra intimidade da rainha Elizabeth

Dentre as imagens em destaque em uma exibição de retratos da rainha Elizabeth tirados pelo fotógrafo Cecil Beaton está uma imagem da monarca carregando o filho mais velho Charles em seus ombros.

MIKE COLLETT-WHITE, REUTERS

06 de fevereiro de 2012 | 14h44

O momento de intimidade informal registrado nos anos de 1950 era o tipo de imagem que a família real queria que o público visse, e Beaton foi o responsável por moldar a imagem da monarquia por quase três décadas.

"Queen Elizabeth II by Cecil Beaton: A Diamond Jubilee Celebration" ("A Rainha Elizabeth 2a por Cecil Beaton: uma celebração do jubileu de diamante") acontece de 8 de fevereiro até 22 de abril no Museu de Victoria e Albert. A exposição conta com 100 fotos do enorme arquivo de 18 mil fotografias de Beaton que pertence ao museu.

A mostra, que abriu para a imprensa na segunda-feira quando a monarca celebra 60 anos no trono, começa com retratos da rainha Elizabeth, a rainha-mãe, e suas filhas princesas Elizabeth e Margaret, tiradas em 1939.

À época, Beaton, um ávido escritor de diários, anotou: "Ao me escolher para tirar suas fotografias, a rainha fez uma inovação ousada...meu trabalho ainda era considerado revolucionário e não convencional."

Os retratos incluem Charles "andando de cavalinho" nas costas da mãe e o príncipe, quando um jovem garoto, inclinando-se para dar um beijo na irmã Anne.

Em 1968, a rainha posou para Beaton pela última vez, após o fotógrafo abordar a monarca para criar um novo retrato para a retrospectiva dele na Galeria Nacional de Retratos.

Destacando sua ansiedade, apesar do longo histórico de registros da rainha, ele escreveu sobre a sessão: "Nossos pontos de vistas, nossos gostos são tão diferentes. O resultado é um compromisso entre duas pessoas e os destinos têm um grande papel nisso."

Tudo o que sabemos sobre:
ARTERAINHAFOTOGRAFOBEATON*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.