Ex-stripper perde herança de US$ 88,5 milhões

Uma corte de apelação federal anulou a sentença de um juiz que concedeu US$ 88,5 milhões à ex-coelhinha da Playboy Anna Nicole Smith, como parte dos bens deixados por seu falecido marido, um magnata do petróleo que morreu aos 90 anos, um ano depois de eles terem se casado.A Corte de Apelação decidiu ontem que o filho do magnata era seu único herdeiro. A corte disse também que o juiz federal da Califórnia que decidiu a favor da Anna Nicole em 2002 nunca deveria ter ouvido o caso.A decisão sai depois de anos de disputa em três cortes sobre a fortuna de J. Howard Marshall II. Anna Nicole o conheceu em 1991 quando ela trabalhava fazendo strip-tease. O casal se casou três anos depois, quando ela tinha 26 anos e ele 89. "Depois de nove anos de litígio, estou muito feliz com decisão da Corte, que mantém os desejos do meu pai sobre seus bens", disse E. Pierce Marshall por meio de uma declaração.Anna Nicole não recebeu nada da herança de seu falecido marido. Os US$ 88,5 milhões ficaram em juízo durante o processo. O advogado dela, Howard K. Stern, disse que Anna Nicole, que estrelou um programa de realidade na TV, iria apelar da decisão na Suprema Corte, se necessário. "A Corte de Apelações transformou os julgamentos de dois juízes federais que encontraram má conduta de E. Pierce Marshall, que privou Anna Nicole dos bens que seu marido queria que ela tivesse", disse Stern.Uma corte federal decidiu em 2002 que Anna Nicole, cujo nome real é Vickie Lynn Marshall, tinha direito a uma indenização porque E. Pierce Marshall teria alterado, destruído e falsificado documentos para tentar mantê-la longe do dinheiro da herança do marido.A decisão de ontem reverte a sentença, determinando que o filho é o único herdeiro e não deve nada a Anna Nicole. A modelo pediu falência em 1996. Como parte da nova sentença, a Corte disse que a corte de falências deveria ouvir o depoimento de outras acusações que Anna Nicole fez. Entre elas está a de que E. Pierce Marshall teria influenciado o pai a fazer o testamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.