Ex-funcionária de escola de Oprah na África é presa por abuso

A polícia da África do Sul prendeuuma ex-funcionária da escola de meninas que a apresentadoranorte-americana Oprah Winfrey fundou no país, devido a diversasacusações de abuso, incluindo atos indecentes. Pelo menos setes pessoas disseram ter sido vítimas damulher, informou a polícia. "Uma ex-funcionária (27 anos) foi presa ontem pela Unidadede Violência Familiar, Proteção à Criança e Ofensas Sexuais pordiversas acusações de abuso", afirmou um comunicado doporta-voz da polícia, superintendente Lungelo Dlamini. "Diversas acusações, incluindo agressão...e solicitaçãopara que meninas realizassem atos indecentes, estão sendoinvestigadas contra ela. Pelo menos sete vítimas já semanifestaram." A mulher está sob custódia da polícia e deve comparecer aum tribunal na segunda-feira, segundo o comunicado. A escola de 40 milhões de dólares tem sido alvo depolêmicas desde sua abertura, em janeiro, com uma festa quecontou com as cantoras Mariah Carey e Tina Turner, o atorSydney Poitier e o cineasta Spike Lee. Em março, alguns familiares reclamaram que a escola eramuito rigorosa e disseram que as restrições às visitas,telefonemas e emails pareciam com regras de prisões. Em maio, familiares também reclamaram que suas filhas nãopodiam comer alimentos de baixo valor nutritivo e que quandoeles as visitavam tinham que passar por um portão de segurança. (Por Michael Georgy)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.