Ex-artista Virginia Vallejo pode ser cúmplice de assassinato

A ex-estrela colombiana Virginia Vallejo, que foi amante do chefe do narcotráfico Pablo Escobar, pode ser incriminada como cúmplice do assassinato do candidato presidencial Luis Carlos Galán, por não ter contado o que sabia, afirmaram hoje políticos.O senador Germán Vargas Lleras, ex-presidente do Congresso, que foi secretário de Galán, assassinado em 1989, comentou as declarações feitas no fim de semana pot Virgínia Vallejo. Ela revelou detalhes de sua relação com Escobar, chefe do cartel de Medellín, morto pela Polícia em 1993.Vallejo, ex-apresentadora de televisão e modelo, de 56 anos, disse ao jornal americano "El Nuevo Herald" que o senador liberal e ex-ministro Alberto Santofimio, detido no ano passado, foi o mentor intelectual do assassinato de Galán.Vargas Lleras disse hoje aos jornalistas que se Virginia Vallejo "sabia Luis Carlos Galán seria assassinado e não informou às autoridades, é cúmplice do crime". Ele perguntou por que a ex-animadora de TV esperou 17 anos para dar sua versão.O senador estava com Galán em 18 de agosto de 1989, quando ele foi assassinado numa praça em Bogotá. Galán, líder da luta contra a corrupção política e narcotráfico, era o favorito para ganhar as eleições de 1990 e seu assassinato foi o ponto culminante da sangrenta década de atividades do "narcoterrorismo", na qual houve centenas de atentados.Virginia Vallejo declarou que tinha ficado em silêncio para proteger sua vida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.