Eventos sobre os 100 anos do romancista, cronologia e lista de obras

Comemorações do centenário incluem debates, exposições, lançamentos de livros e montagens teatrais

03 de agosto de 2012 | 20h30

A 22ª Bienal do Livro de São Paulo, que será aberta no dia 9, vai ter Jorge Amado como homenageado, trazendo na programação  debates sobre o autor, entre eles Cozinhando com Palavras, com Ilana Goldstein e Paloma Amado, filha do escritor. Um dia depois da abertura bienal paulista, dia 10 de agosto, a  exposição Amado Universal, que esteve no Museu da Língua Portuguesa de São Paulo no primeiro semestre, será aberta no Museu de Arte Moderna de Salvador. A cidade de Ilhéus promove o festival Amar Amado, com atrações culturais até o dia 12 - entre os shows estão os dos cantores Caetano Veloso e Moraes Moreira. Ainda no dia 10 de agosto, dia de nascimento do escritor, haverá o show gratuito de Kiko Dinucci e Juçara Marçal na escadaria da Fundação Casa de Jorge Amado.

A editora Companhia das Letras , que publica os livros de Jorge Amado, vai manter na Livraria Cultura do Conjunto Nacional a vitrine em homenagem ao autor durante o mês de agosto e um blog dedicado ao centenário de nascimento de Amado. E, ainda em setembro, haverá o lançamento dos livros Bahia de Todos os Santos e Toda Saudade do Mundo no Museu Carlos Costa Pinto em Salvador.

Na Casa Fundação Jorge Amado, dia 10, às 18h, está programado o lançamentro do livro Jorge Amado e a Sétima Arte, organizado por Bohumila S. de Araújo, Maria do Rosário Caetano e Myriam Fraga. Trata-se de uma coedição da Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA) e a Casa de Palavras, da Fundação Casa de Jorge Amado. Misto de trabalho acadêmico com livro de depoimentos, Jorge Amado e a Sétima Arte conta com declarações e entrevistas com autores, cineastas, atores, roteiristas e diretores, além de bibliografia e filmografia completas, reunindo extenso material sobre Amado. José Calasans Neto, Guido Araujo, Walter da Silveira, Sonia Braga, Maria do Rosário Caetano e João Carlos Sampaio são alguns dos nomes que contribuíram com textos, ensaios, depoimentos e entrevistas.

Gabriela, Baiana de Todas as Cores, de autoria da escritora e artista plástica Sonia Regina Caldas, é o livro do Mês da Edufba. Tese de doutorado da autora, este livro apresenta diversas leituras sobre ilustrações e capas de várias edições do romance  no Brasil e no mundo. No meio teatral, Amado também será homenageado com uma montagem dirigida por Fernando Guerreiro, O Sumiço da Santa, que estreia em Salvador em setembro, no Teatro Acbeu. O texto reúne realismo fantástico e humor, política e religião, numa adaptação de Claudio Simões e Gil Vicente Tavares. No elenco totalmente baiano, destacam-se nomes como Ana Cecília Costa, Ângelo Flavio, Marinho Gonçalves e Andrea Elia.

Jorge Amado - Vida e obra

1912 - Nasce no dia 10 de agosto, na fazenda Auricídia, em Ferradas, distrito de Itabuna (BA).

1913 - Família Amado se muda para Ilhéus após uma cheia do rio Cachoeira que resultaria numa epidemia de varíola.

1922 - Ingressa no Colégio Antônio Vieira, internato de padres jesuítas localizado em Salvador.

1923 - Escreve a redação O Mar e desperta a atenção do padre Luiz Gonzaga Cabral, que começa a emprestar livros ao aluno.

1924 - Despede-se do pai na porta da escola e, durante dois meses, viaja pelo sertão até a fazenda do avô.

1926 - Passa a estudar no Ginásio Ipiranga, também em Salvador, e escreve para jornais estudantis.

1927 - Começa a trabalhar no Diário da Bahia, seu primeiro emprego.

1928 - Integra o grupo literário Academia dos Rebeldes que pregava uma “arte moderna sem ser modernista”, como Jorge Amado dizia.

1921 - Publica a novela Lenita com Edson Carneiro e Dias da Costa em O Jornal. Usa o pseudônimo de Y. Karl.

1930 - Muda-se para o Rio de Janeiro. Lenita é editada em livro.

1931 - Publica seu primeiro romance, O País do Carnaval, em tiragem de mil exemplares e ingressa na Faculdade Nacional de Direito.

1932 - O País do Carnaval ganha nova tiragem de 2 mil exemplares.

1933 - Casa-se com Matilde Garcia Rosa. Lança Cacau.

1934 - Trabalha na Livraria José Olympio e publica Suor.

1935 - Nasce Eulália (Lila). Jubiabá é lançado pela José Olympio. Jorge conclui o curso superior.

1936 - É preso sob a acusação de ter participado do Intentona Comunista.

1937 - Viaja pela América Latina e Estados Unidos. Na volta, é preso novamente. Sai no Brasil Capitães da Areia.

1941 e 1942 - Viaja para Argentina e Uruguai para pesquisar a vida de Luís Carlos Prestes. Volta ao Brasil e é preso mais uma vez.

1943 - Edita Terras Sem Fim, primeiro livro a ser vendido livremente no país depois de seis anos de censura.

1944 - Separa-se de Matilde Garcia Rosa e lança São Jorge dos Ilhéus.

1945 - Participa do I Congresso de Escritores, em São Paulo. Conhece Zélia Gattai na Boate Bambu por intermédio do Barão de Itararé. É eleito membro da Assembléia Nacional Constituinte, na legenda do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Foi o deputado federal mais votado do estado de São Paulo. Uma de suas maiores contribuições foi a criação da lei que assegura o direito à liberdade de culto religioso. Nesse mesmo ano, passa a viver com Zélia Gattai.

1947 - Nasce João Jorge, primeiro filho do casal.

1948 - O PCB é declarado ilegal, Jorge é cassado. Segue com a família para o exílio na França, de onde é expulso em 1950.

1949 - Morre Lila, sua filha com a primeira esposa. Sofre acidente de avião em Frankfurt.

1950 - Muda-se com a mulher e o filho para Dobris, na Tchecoslováquia, e passam a viver no castelo da União dos Escritores.

1951 - Escreve Os Subterrâneos da Liberdade. Nasce, em Praga, a filha Paloma. Recebe o Prêmio Stalin da Paz e lança O Mundo Da Paz.

1952 - Visita a China e a Mongólia. Volta ao Rio de Janeiro.

1954 - Publica Os Subterrâneos da Liberdade.

1956 - Afasta-se da militância política e passa a se dedicar exclusivamente à literatura.

1958 - Publica Gabriela.

1961 - É eleito para a Academia Brasileira de Letras e ocupa a cadeira 23, cujo primeiro ocupante foi Machado de Assis. Lança Os Velhos Marinheiros Ou O Capitão de Longo Curso e A Morte e a Morte de Quincas Berro d’Água. Gabriela ganha adaptação pela TV Tupi.

1966 - Lança Dona Flor e Seus Dois Maridos com tiragem de 75 mil exemplares. Mais de mil pessoas comparecem ao lançamento do livro em Portugal e em Salvador.

1969 - Tenda dos Milagres é lançado.

1970 - Jorge ganha o título de intelectual do ano da União Brasileira de Escritores (Prêmio Juca Pato). Estreia do filme Capitães de Areia, uma produção americana.

1972 - Sai Tersa Batista Cansada de Guerra.

1976 - O longa Dona Flor e Seus Dois Maridos, dirigido por Bruno Barreto, chega ao cinema.

1977 - Estreia de Tenda dos Milagres, filme de Nelson Pereira dos Santos, e lançamento de Tieta do Agreste.

1978 - Casa-se oficialmente com Zélia Gattai.

1984 - Publica Tocaia Grande.

1989 - É tema da escola de samba Império Serrano. Tieta chega à televisão.

1992 - Publica Navegação de Cabotagem.

1994 - Vence o Prêmio Camões.

1998 - Recebe seu 10º e último título Doutor Honoris Causa - desta vez, da Universidade de Sorbonne.

2001 - Morre em Salvador no dia 6 de agosto. Suas cinzas são enterradas no jardim de sua casa quatro dias depois, quando ele completaria 89 anos.

Principais prêmios e títulos

Stalin da Paz - União Soviética (1951)

Latinidade - (1971)

Nonino - Itália (1982)

Dimitrov - Bulgária (1989)

Pablo Neruda - Rússia (1989)

Etruria de Literatura - Itália (1989)

Cino Del Duca - França (1990)

Mediterrâneo - Itália (1990)

Vitaliano Brancatti - Itália (1995)

Luis de Camões - Brasil/Portugal (1995)

Jabuti - Brasil (1959 e 1995)

Ministério da Cultura - Brasil (1997)

Recebeu os títulos de comendador e de grande oficial na Venezuela, França, Espanha, Portugal, Chile e Argentina. Foi Doutor Honoris Causa em 10 universidades no Brasil e no exterior. Foi agraciado com título de Obá, posto civil que exercia no Ilê Axé Opô Afonjá.

Livros publicados

O País do Carnaval (1931)

Cacau (1933)

Suor (1934)

Jubiabá (1935)

Mar Morto (1936)

Capitães da Areia (1937)

ABC de Castro Alves (1941)

O Cavaleiro da Esperança (1942)

Terras do Sem-fim (1943)

São Jorge dos Ilhéus (1944)

Bahia de Todos-os-Santos (1945)

Seara Vermelha (1946)

O Amor do Soldado (1947)

Os Subterrâneos da Liberdade: Os Ásperos Tempos (1954), Agonia da Noite (1954) e A Luz no Túnel (1954)

Gabriela, Cravo e Canela (1958)

De Como o Mulato Porciúncula Descarregou Seu Defunto (1959)

Os Velhos Marinheiros ou O Capitão-de-longo-curso (1961)

A Morte e a Morte de Quincas Berro Dágua (1961)

O Compadre de Ogum (1964)

Os Pastores da Noite (1964)

As Mortes e o Triunfo de Rosalinda (1965)

Dona Flor e Seus Dois Maridos (1966)

Tenda dos Milagres (1969)

Tereza Batista Cansada de Guerra (1972)

O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá (1976)

Tieta do Agreste (1977)

Farda, Fardão, Camisola de Dormir (1979)

O Milagre dos Pássaros (1979)

O Menino Grapiúna (1981)

A Bola e o Goleiro (1984)

Tocaia Grande (1984)

O Sumiço da Santa (1988)

Navegação de Cabotagem (1992)

A Descoberta da América Pelos Turcos (1992)

Hora da Guerra (2008)

Toda a Saudade do Mundo (2012)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.