Evento de dança reúne espetáculos e aulas grátis em SP

Quem gosta de gafieira, bolero, tango, salsa e forró, entre outros estilos, poderá passar o fim de semana dançando em pleno Largo do Arouche, no centro da capital. É a primeira edição da Revirada, evento voltado para a dança e inspirado diretamente na Virada Cultural, que ocorre há seis anos na cidade.

AE, Agência Estado

05 de novembro de 2010 | 09h33

A iniciativa é um projeto-piloto da Secretaria Municipal de Cultura para tentar pulverizar a programação da Virada Cultural ao longo do ano, promovendo miniviradas temáticas - a de agora é da dança, depois virá a do circo, da poesia, do teatro e por aí vai. "É como se estivéssemos fuçando no baú da Virada. Tem uma série de coisas legais no evento que ficam um pouco escondidas, as pessoas querem ver e não conseguem", afirma o coordenador dos dois eventos, José Mauro Gnaspini.

Além dos shows de estilos musicais diversos, do samba-rock ao forró, cerca de 60 dançarinos vão promover campeonatos e aulas de dança para o público. Algumas festas da cidade, como a Balacuba e a Trash 80?s, serão revividas.

Diferentemente do evento que a inspirou, a Revirada terá horários mais comportados. Amanhã, a programação começa às 14h e o último show está marcado para meia-noite. Uma aula de dança de salão para cadeirantes e deficientes visuais também está na programação de amanhã, às 14h. Segundo Gnaspini, deve durar até as 4h40, "quando abre o metrô". No domingo, a primeira aula de "Samba no Pé" começa às 11h e o último show, às 19h.

Serão cinco pistas de dança: Caribe, Samba, Forró, Anos Dourados e um ônibus-palco, onde tocarão as orquestras. Na Praça da República, um sexto polo vai trazer a festa Silent Disco, em que um DJ distribui fones de ouvido para as pessoas e promove uma festa silenciosa, com cada um ouvindo sua própria música.

Coordenador do palco Samba, o professor e dançarino Inácio Loiola, de 41 anos, vai ser responsável pelas aulas de samba-rock e gafieira durante o fim de semana. "É a primeira vez que vemos uma atividade totalmente voltada para a dança em São Paulo", diz ele, que participou da última Virada Cultural e "comandou" as apresentações para uma plateia de 15 mil pessoas. "Nosso intuito é fazer quem dança interagir com quem não dança", diz. Nas próximas edições da Revirada, a ideia é levar os eventos para as Praças Roosevelt e da República ou para o Largo do Paiçandu. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Destaques da Programação

Amanhã

14h: Aula de dança de salão para cadeirantes (Pista Caribe) e deficientes visuais (Pista Forró)

15h: Aula de valsa (Pista Anos Dourados) e forró paulistinha (Forró)

16h: Orquestra Sílvio Mazzuca (ônibus-palco)

19h: Silent Disco (República)

21h: Show de tango (Anos Dourados)

22h: Campeonato de salsa (Caribe)

Meia-noite: Sambacana Groove (Samba)

Domingo

11h: Aula de chá-chá-chá (Anos Dourados)

13h: Aula de foxtrot (Anos Dourados)

14h: Silent Disco

16h: Festa Vinil é Arte (Anos Dourados)

16h: Festa Rootstock (Forró)

18h: Festa Tecnobrega (Forró)

Tudo o que sabemos sobre:
dançaReviradaLargo do Arouche

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.