Evandro Mesquita e Mauro Farias vencem o Shell

Evandro Mesquita e Mauro Farias receberam o prêmio de melhores autores por Esse Cara Não Existe. Os dois venceram Caio de Andrade, que concorreu por Deserto Iluminado, na 16ª Edição do Prêmio Shell de Teatro Rio de Janeiro. A cerimônia, apresentada pelo ator Dan Stulbach, vencedor ano passado, em São Paulo, na categoria melhor ator por Novas Diretrizes em Tempo de Paz, aconteceu na noite de ontem.A peça O Que Diz Molero arrebatou dois prêmios: o de melhor direção, para Aderbal Freire Filho e o de melhor ator, para Orã Figueiredo. Na categoria melhor atriz, Guida Vianna foi premiada por seu trabalho em Nada de Pânico. Veneza ficou com os troféus de melhor cenário (Claúdio Tovar) e melhor iluminação (Aurélio de Simoni). Marcelo Marques foi premiado pelo figurino de O Último Dia. Na categoria música, os melhores foram Marcos Povoas e Puan Viana, por Candaces ? A Reconstrução do Fogo. Moacir Chaves foi premiado, na categoria especial, pela qualidade da programação exibida no Teatro Maria Clara Machado durante a temporada de 2003. Este ano, o homenageado foi o ator, diretor e produtor Sergio Britto, que recebeu a homenagem do diretor Domingos Oliveira.Confira abaixo lista completa dos premiadosAutor: Evandro Mesquita e Mauro Farias por Esse Cara Não ExisteDireção: Aderbal Freire Filho por O Que Diz MoleroAtor: Orã Figueiredo por O Que Diz MoleroAtriz: Guida Vianna por Nada de PânicoCenário: Cláudio Tovar por VenezaFigurino: Marcelo Marques por O Último DiaIluminação: Aurélio de Simoni por VenezaMúsica: Marcos Povoas e Puan Viana por Candaces - A Reconstrução do FogoCategoria Especial: Moacir Chaves pela excelência da programação exibida no Teatro Maria Clara Machado ao longo da temporada de 2003Homenagem: Sérgio Britto

Agencia Estado,

14 de abril de 2004 | 16h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.