Europa aprova polêmica reforma de direitos autorais

Europa aprova polêmica reforma de direitos autorais

Segundo defensores da medida, criadores poderão agora exercer seus direitos e receber remuneração justa das plataformas

Redação, AFP

26 de março de 2019 | 19h17

A Eurocâmara aprovou, nesta terça-feira, 26, a reforma europeia de direitos autorais, uma medida debatida sob forte pressão de seus partidários, como veículos de mídia e artistas, e seus críticos, entre eles os gigantes da internet e os partidários de uma internet livre. Por 348 votos a favor, 274 contra e 36 abstenções, os eurodeputados adotaram essa reforma, que busca adaptar à era digital a legislação adotada em 2001, uma época em que a plataforma de vídeos YouTube ainda não existia.

“Pela primeira vez, a Europa tem regras comuns claras”, celebrou o vice-presidente da Comissão, Andrus Ansip, que, em resposta aos temores sobre a liberdade na internet, destacou que a futura diretriz conta com “garantias claras sobre a liberdade de expressão”.

A adoção de uma espécie de censura na rede era, de fato, um dos temores dos opositores à reforma, como a única eurodeputada pirata, a alemã Julia Reda, para quem esta terça representa um “dia sombrio para a liberdade na internet”.

O autor do texto, o deputado democrata-cristão alemão Axel Voss, defendeu, durante o debate prévio, que a reforma proposta pela Comissão Europeia em setembro de 2016 conseguia um “equilíbrio entre os direitos autorais e a liberdade de opinião”.

Até o último minuto, os eurodeputados se viram submetidos a uma forte campanha de pressão a menos de um mês de a Eurocâmara suspender suas sessões até julho pelas eleições europeias previstas para acontecer de 23 a 26 de maio.

Pela manhã, um grupo de músicos recebeu os eurodeputados em sua chegada à Casa, pedindo-lhes para votar “sim” na reforma para ter “uma internet que seja justa e duradoura para todos”.

Para seus partidários, como o DJ internacional David Guetta, o “objetivo é permitir que a imprensa e os artistas recebam uma parte da receita gerada com a difusão de (...) suas obras na internet”.

“É uma vitória histórica para os criadores europeus que poderão exercer seus direitos e receber uma remuneração justa de plataformas como o YouTube”, celebrou o Grupo Europeu das Sociedades de Autores e Compositores (Gesac).

Em artigo de opinião no jornal francês JDD, reivindicou-se no domingo que os “gigantes americanos transformados em ogros” retribuam artistas e editores de maneira mais justa com a receita publicitária obtida com suas obras.

Do lado oposto, encontram-se os gigantes do Vale do Silício americano, como Google ou Facebook, assim como os partidários de uma internet livre, que temem restrições nesses canais de difusão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.