Euclidianos homenageiam Roberto Ventura

A partir de hoje, especialistas na obra de Euclides da Cunha (1866- 1909) e estudantes de várias idades discutem a sua obra, na cidade de São José do Rio Pardo, localizada a 266 km de São Paulo. O evento, que ocorre anualmente, vai até o dia 15 de agosto, data em que o escritor, autor de Os Sertões, foi morto. O principal objetivo da Semana, neste ano, é discutir como o livro é lido, 101 anos depois de sua publicação, pela crítica nos dias de hoje. Faz parte dessa intenção, afirma o diretor da Casa de Cultura Euclides da Cunha, Álvaro Ribeiro de Oliveira Netto, a organização do 1.º Colóquio Universitário Euclidiano, que reunirá pesquisadores de diversas universidades do País que estudam a obra de Euclides da Cunha. O colóquio ocorre na segunda-feira. Amanhã, às 10 horas, será lançado na cidade o livro Euclides da Cunha - Um Esboço Biográfico (Companhia das Letras, 384 págs., R$ 42). A obra é resultado da pesquisa realizada pelo professor de Teoria Literária e Literatura Comparada da Universidade de São Paulo Roberto Ventura, que morreu, num acidente, em 14 de agosto do ano passado, quando viajava para São Paulo, vindo de José do Rio Pardo. O livro, inacabado, foi organizado, a partir dos arquivos deixados em seu computador, pelo jornalista Mario Cesar Carvalho e pelo geógrafo e historiador da literatura José Carlos Barreto de Santana, autor do livro Ciência & Arte - Euclides da Cunha e as Ciências Naturais (Hucitec/UEFS). Além das discussões sobre a obra de Euclides da Cunha, a Semana Euclidiana inclui mesas-redondas, ciclos de estudos, exposições e apresentações de dança. Hoje mesmo, às 12 horas, será aberta uma galeria de fotos de Flávio de Barros sobre a guerra de Canudos, doadas pelo Instituto Moreira Salles. No mesmo horário, outra exposição será inaugurada, com o tema Dados Biográficos de Euclides da Cunha e Roberto Ventura. Toda a programação do evento está disponível no site www.casaeuclidiana.org.br.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.