'Eu tento entender as pessoas'

Entrevista com Lasse Hallstrom, cineasta

Luiz Carlos Merten de Los Angeles, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2010 | 00h00

LOS ANGELES

Lasse Hallstrom foi cooptado por Hollywood a partir do sucesso de Minha Vida de Cachorro, ainda nos anos 1980. Desde então, fez muitos filmes nos EUA, mas ele ainda fala inglês com sotaque carregado. Quando a entrevista foi realizada, em janeiro, recém havia estreado no Brasil Ao Seu Lado, com Richard Gere.

O filme é Minha Vida de Cachorro 2?

São filmes muito diferentes. A ideia da relação muito forte entre o homem e o animal foi uma coisa que me fascinou, embora, no limite, o que me interesse é falar sobre o humano. Querido John também é uma história de gente. O personagem é mostrado na relação com o pai, com a mulher amada, na guerra. Investigar a emoção humana, iluminar o que há de sombrio na natureza do homem, tudo isso é apaixonante. Acho que, como cineasta, busco um entendimento do humano.

Você já conhecia o livro de Nicholas Sparks?

Conheço Nick e considero-o um autor interessante, justamente pela gama de emoções que seus livros exploram. E ele é muito visual. Escreve como quem já pensa em cinema. Mas Querido John surgiu para mim como roteiro, e um roteiro do qual gostei imediatamente. Além das figuras de John e Samantha, o pai me pareceu muito interessante. Aquele pai autista, fechado sobre si mesmo. A cultura nórdica, da qual venho, é muito rica em personagens assim. A ideia de trabalhar com um ator como Richard (Jenkins) me pareceu muito atraente.

Como você chegou aos atores?

Richard (Jenkins) é um ator com o qual gostaria de trabalha sempre. Channing Tatum surgiu porque tinha physique du role, mas não teria funcionado se não fosse o ator intenso que é. Muitas cenas do filme dependem da capacidade dele como ator. Não conseguiria enganar o espectador.

A cena das moedas é muito forte. O diálogo visceral com o pai talvez seja o momento que fica de Querido John. Foi difícil de fazer?

Para mim, parecia quase impossível. Desde o começo, era a cena que me metia medo. Desde que a li no roteiro, estavam claras suas implicações, mas aquilo poderia voltar-se contra o filme. Existem cenas assim. Exigem muita reparação. Discuti bastante com os atores e, quando fomos filmar, eles estavam seguros, mas confesso que só relaxei quando vi a cena pronta, e montada. Ela está no limite do dramático e do melodramático. Um pouco mais e poderia ter feito o filme inteiro desmoronar.

O filme concentra-se na história de amor e não tem exatamente um final feliz (NR - Ele foi mudado, após a entrevista), mas há contexto histórico e social. O filme situa-se no pós 11 de Setembro e isso é importante, concorda?

Sem dúvida. Não sou o que os críticos chamariam de diretor de filmes "políticos". Não conto histórias para tomar posição sobre isso ou aquilo, embora volta e meia isso termine ocorrendo. Filmo porque quero entender as pessoas e, entendendo o outro, quero entender a mim mesmo. Mas num filme como Querido John, o fundo é muito importante. Já era em Casablanca, o clássico romântico que Nicholas (Spark) considera o modelo de Querido John. Não conheço uma pessoa que, vendo Casablanca, não seja tocada pelos problemas dos personagens de Humphrey Bogart e Ingrid Bergman no quadro daquele período específico, o da resistência contra o nazismo. O filme não é sobre aquilo, como Querido John também não é, mas o quadro acrescenta aos personagens. Meu compatriota (Ingmar) Bergman não fazia filmes políticos, mas sua obra termina nos dizendo muitas coisas sobre a organização política e social da Suécia. Não estou querendo me comparar a ele, bem entendido, mas, errando e acertando, como qualquer diretor, faço filmes dos quais não tenho de me envergonhar. Querido John me deu muita dor de cabeça para evitar o melodrama puro e simples. Não que esse gênero não tenha méritos. (Douglas) Sirk foi um grande diretor e um grande autor. Mas é sempre arriscado falar de sentimentos. Espero ter conseguido isso, sem descuidar do que esses personagens representam, num momento tão específico da história da América.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.