LUCIANA PREZIA|ESTADÃO
LUCIANA PREZIA|ESTADÃO
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

'Eu seria apenas uma figura emblemática', diz Marília Gabriela sobre convite para assumir a Cultura

Apresentadora explica por que não aceitou o convite, que foi articulado pela senadora Marta Suplicy

Cristina Padiglione, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2016 | 14h19

Em entrevista coletiva para falar sobre o novo programa TV Mulher, que estreia dia 31 de maio no Canal Viva, a apresentadora, jornalista e atriz Marília Gabriela confirmou que o convite para assumir a Secretaria Nacional de Cultura, do governo Michel Temer. Ela disse que foi intermediado pela senadora Marta Suplicy, sua amiga e com quem trabalhou por quatro anos, no icônico TV Mulher nos anos 1980. 

"Apesar de eu ser uma pessoa ligada à Cultura, naquele momento eu estava sendo convidada simplesmente por ser uma figura midiática, espaçosa, e seria uma estampa em um governo que, em absoluto prestigiou a mulher. Agora, ainda estão colocando algumas mulheres em alguns cargos. Mas era só mesmo para fazer uma estampa. Eu não seria nada além disso. Não teria cabimento eu aceitar um convite desses. Eu tenho consciência de que eu não representaria nada além de uma imagem. Não sou política nem tenho intenção de ser. Eu seria apenas uma figura emblemática. Não fui preparada para ser gestora de uma secretaria desse porte", explicou Gabi. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Michel TemerMarta SuplicyCultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.