Paulo Kawall
Paulo Kawall

'Eu preciso do meu fotógrafo'

Aos 21 anos, Paulo Kawall se tornou o ‘retratista oficial’ de Elis. Agora, também vai revelar o que tem

Julio Maria - O Estado de S.Paulo,

19 de março de 2011 | 06h00

Paulo Kawall fazia fotos para a revista Música, em 1976, quando recebeu a missão do chefe: "Você vai fotografar a Elis Regina". Qualquer fotógrafo sairia eufórico da redação rumo à casa de Elis naqueles tempos em que a cantora reinava. Mas Paulo tremeu. "Cara, eu só tinha 21 anos. E era minha primeira foto de artista."

Paulo pensou rápido. Passou em uma barraca de camelô e comprou um anel de brilhantes falsos. Já que as fotos teriam como motivo o show Falso Brilhante, a ideia poderia dar jogo. "Como eu tremia naquele dia. Tremia como vara verde. Não sabia nem usar a máquina direito."

Paulo sugeriu que Elis segurasse o brilhante falso, e ela gostou da brincadeira. Fez cara e bocas para a lente e viu futuro no menino tímido. "Muitas vezes ela mandava me chamar para fazer as fotos. Em geral, a Elis odiava ser fotografada."

Elis ligou certo dia às pressas: "Venha ao estúdio". Paulo correu até lá. "Fica quieto, espera aí", disse a ‘chefe’. Era uma reunião importante com executivos para a realização de uma turnê. Elis, ao final, apresentou seus músicos um a um. E deixou Paulo por último: "E esse aqui é meu fotógrafo". "Foi um susto, mas ali vi que ela tinha confiança em mim", diz ele.

Arquivo de ouro. Até 1982 seria assim, Elis teria vários cliques feitos por Paulo Kawall (que antes preferia assinar como Paulo Vasconcellos). E Paulo, sem saber, iria acumulando um tesouro em seus arquivos. A foto desta página foi tirada para o disco Elis Essa Mulher, de 1979. "Elis já estava cansada de usar figuras nas capas de seus discos. Um dia, quando senti que ela já me ouvia, disse que precisava usar seu próprio rosto, que ela era uma mulher bonita, que precisava ser fotografada."

Depois de revirar seus armários, Paulo finalizou seu projeto para lançar dois livros com imagens de Elis. Em busca de patrocínio "fora da Lei Rouanet", já que se trata de um investimento alto, Paulo corre para fazer seu lançamento até o ano que vem. Ele calcula que faz tudo acontecer com R$ 1 milhão, valor com que conseguiria imprimir seus dois livros de fotos inéditas de Elis Regina, que deverão ter suas costuras nas emendas feitas à mão, já que as gráficas dizem não poder fazer o trabalho nesse formato de 30 cm de largura por 40 cm de altura. "Só não vou abrir mão desse acabamento."

A intenção de Paulo Kawall é, com os dois livros, inaugurar sua própria editora. Ele tem ainda na agulha uma outra publicação chamada De A a Z da MPB, com fotos de mais de 100 artistas nacionais fotografados por ele, que vão de Roberto Carlos a Tonico & Tinoco, passando por Zezé di Camargo & Luciano e Rita Lee. Este projeto também seria lançado por sua futura empresa.

Tudo o que sabemos sobre:
Elis ReginaMPBfotógrafo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.