Etcetera, etcetera

Li que um japonês inventou um aparelho que, adaptado à coleira, traduz o latido do cachorro

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 02h00

Por dentro, fora as partes óbvias, mulher não é muito diferente de homem. Anatomicamente, portanto, a mulher não tem mistério para o homem. Ali fica o coração, ali o fígado, ali (onde mesmo?) o pâncreas... Igualzinho a nós. Não é verdade que elas tem glândulas secretas que a medicina ainda não se animou a examinar a fundo, como as que determinam o seu comportamento em shoppings. Temos (mais ou menos) as mesmas glândulas.

Mas um componente da mulher continua a desafiar a compreensão dos homens: sua bolsa. Sabemos muito pouco do seu conteúdo e estamos constantemente nos surpreendendo com o que sai lá de dentro. E quando pedimos explicações, elas despistam.

O cérebro feminino não é biologicamente diferente, que eu saiba, do cérebro masculino e uma bolsa de mulher não deveria ser diferente de qualquer outro meio de guardar e transportar coisas, mas as surpresas se repetem. As bolsas femininas parecem ter acessos a mundos, mananciais, veios e fornecedores inacessíveis ao pensamento ou à mão do homem. De onde elas tiram tudo aquilo?!

É uma pergunta que nos atormenta desde o momento em que a Eva não só teve a ideia de comer a fruta proibida como produziu - de onde, meu Deus? - a faca para descascá-la e uma toalha para estender na grama, e nunca mais fomos os mesmos.

*

Li que um japonês inventou um aparelho que, adaptado à coleira, traduz o latido do cachorro. O cachorro late ou rosna e aparece numa telinha o que ele está tentando dizer para o seu dono. “Quero comida”, “Preciso fazer pipi”, “Troca de canal”, “Gostei do seu cabelo assim”, etc. O mercado para a invenção é enorme, só a julgar pelos donos de cachorro que conheço. Finalmente eles vão poder não apenas falar, mas dialogar com seus cachorros, trocar ideias, saber o que eles pensam da vida e dos homens. Há o risco, claro, da contestação inesperada. Do dono dizer “Senta” e o cachorro responder “Contextualiza”. Mas o interpretador de cachorros chega para preencher uma profunda necessidade humana. Gênio. 

*

Novas técnicas criam novas superstições e novos temores. Recomenda-se que mulheres com silicone passem pelos detectores de metais dos aeroportos de costas, senão os seios podem explodir e o silicone derreter. Guardar o Viagra numa cesta com ovos frescos por uma noite e fazer o sinal da cruz antes de ingeri-lo aumentam sua eficácia. Etcetera, etcetera. 

Mais conteúdo sobre:
cachorro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.