Estudo de Lilia Moritz Schwartz sobre d. Pedro II agora em quadrinhos

Ensaio, publicado originalmente em 1998, mostra como d. Pedro II construiu uma imagem simbólica ao redor de si mesmo

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

25 de abril de 2014 | 20h14

"Finalmente, nosso monarca apresenta barbas!", exclama, aliviado, um brasileiro comum do século 19 representado no traço do cartunista e ilustrador Spacca, na nova adaptação do ensaio de Lilia Moritz Schwartz As Barbas do Imperador (Quadrinhos na Cia). Em evento neste sábado, às 11h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, os dois conversam com o público sobre a adaptação, e sobre como, segundo Lilia, d. Pedro II fez uma construção simbólica da própria figura ao longo do império.

"O livro original serviu de roteiro, o que eu fiz foi acompanhar, dar dicas e montar junto com o Spacca os anexos", diz Lilia, uma militante das histórias em quadrinhos na universidade. "Foi um grande trabalho dele vencer este desafio: o Barbas original é constituído a partir de várias pequenas teses sobre a construção simbólica de d. Pedro II, como as festas, a domesticação da nobreza e a imagem de ‘monarca cidadão’, e o quadrinho mantém essa estrutura", comenta.

Mas não foi fácil, segundo o próprio quadrinista. Spacca leu e estudou os capítulos do livro, fez as imagens e então adicionou textos do original, muitas vezes mantidos na íntegra, tudo isso ao longo de quatro anos. "Eu gostaria que o público do livro pegasse esses quadrinhos e percebesse o esforço de transpor o espírito", afirma.

::: Cultura Estadão nas redes sociais :::
:: Facebook ::
:: Twitter ::

Para Lilia, o quadrinho inclusive ganha novas ideias em relação à obra publicada em 1998, por acrescentar pesquisas suas mais recentes, como a Guerra do Paraguai e a questão da escravidão. A ideia sempre foi, segundo os dois autores, adaptar sem simplificar demais.

A pesquisa iconográfica e histórica de Spacca é um dos destaques da obra. "Transpor as pinturas do Debret, por exemplo, foi mais fácil, porque as imagens estão todas ali", conta. "Agora, para criar quadros como a movimentação na Rua do Ouvidor ou a modernização da cidade, como a construção de ruas de paralelepípedos, há poucas ou nenhuma imagem de fato, então é um trabalho de pesquisa extenso."

Talvez brincando, ele diz que para cada página da HQ, há em média 30 consultas históricas. Visitando as páginas deste As Barbas, não dá para duvidar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Netflix divulga as 5 séries internacionais preferidas do público brasileiro
  • Projeta Brasil do Cinemark apresenta filmes brasileiros por apenas R$ 4
  • Glória Maria faz cirurgia para remover lesão cerebral e passa bem
  • ‘Sonic - O Filme’: Internautas aprovam ‘reforma’ do personagem; assista
  • Lollapalooza Brasil 2020: confira o line up por dia 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.