Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Estudo aponta impacto do merchandising nas redes sociais

Programas emblemáticos para o hábito do telespectador de comentar nas redes sociais sobre o que vê na TV, o CQC e o Pânico, ambos da Band, serviram de base para um estudo sobre o impacto do merchandising. Embora os dois bem saibam como incentivar o público a repercuti-los nas redes sociais, por meio de hashtags - o que gera mais identificação e eco para a atração - os comentários sobre o CQC citam com alguma frequência os patrocinadores do programa, relacionando a marca ao profissional que atua na ação.

Cristina Padiglione, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2013 | 02h17

Segundo o estudo, isso ocorre porque o CQC usa as performances dos humoristas para produzir as ações dos merchandisings. Já no Pânico, sem maior envolvimento dos humoristas, não aparecem citações sobre anunciantes no período analisado.

"O estudo mostra que atualmente é imprescindível às empresas olhar as redes sociais antes de elaborar a estratégia de marketing, mesmo que essa estratégia seja exclusivamente voltada à televisão", diz Gabriel Baños, CEO da Zauber. A Zauber é responsável pela plataforma Tribatics.TV, criada para medir a relação entre TV e redes sociais. O levantamento foi encomendado pela dp6, empresa focada em inteligência e performance digital, que resolveu estudar como a publicidade pode tirar melhor proveito desse público que assiste à TV com dispositivos à mão.

O ineditismo e o caráter ao vivo também aparecem como fatores relevantes para estimular conversas sobre os programas. E assuntos que estimulem discussão são fundamentais para manter a audiência conectada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.