Estudioso analisa as influências de Drummond

John Gledson é um estudioso conhecido por análises sobre Machado de Assis. Ele esteve no Brasil pela primeira vez em 1970, quando começou sua pesquisa em torno da poesia de Carlos Drummond de Andrade. Parte desse trabalho, que o fez doutor pela Universidade de Princeton, resultou no seu primeiro livro sobre um autor brasileiro: Poesia e Poética de Carlos Drummond de Andrade (1981). Nesta segunda-feira, Gledson lança, em São Paulo, o complemento dele: Influências e Impasses - Drummond e Alguns Contemporâneos, que discute os poetas que teriam influenciado Drummond."A rigor, tudo é influência", diz Gledson, repetindo uma frase de Mário de Andrade - um dos três poetas que, para ele, mais "atuaram" na obra de Drummond. Os outros dois são o franco-uruguaio Jules Supervielle e o francês Paul Valéry. "O interessante não é só achar a influência, mas entender como ela funcionou", diz ele. John Gledson percebe ecos do trabalho de Jules Supervielle em poemas como José e Sentimento de Mundo, principalmente por razões práticas como o uso de formas e métricas semelhantes. Mário de Andrade teria, segundo ele, influenciado Drummond por sua poesia e, também, pela intensa correspondência que trocou com o mineiro durante anos. Valéry, por sua vez, exerceria uma influência mais consciente, que é explicitada em vários momentos por Drummond - que, no entanto, guarda uma certa distância em relação a ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.