Estudioso afirma que Da Vinci teve um filho aos 17 anos

Leonardo da Vinci, o polimórfico gênio renascentista que pintou a famosa Monalisa, teve um filho ilegítimo aos 17 anos, segundo a investigação do estudioso italiano Alessandro Vezzosi, diretor do museu dedicado ao artista.A hipótese com que trabalha Vezzosi, que foi publicada hoje, diz que o filho de Leonardo se chamava Paulo, e que foi levado de Florença à Bolonha para que não voltasse a frequentar "as más companhias", segundo se deduz dos documentos pesquisados.O primeiro deles é uma carta, publicada por Calo Pedretti e conservada no Arquivo do Estado de Florença, escrita pelo senhor Giovanni Bentivoglio de Bolonha à Lorenzo de Medici, " O Magnífico" .Nela se fala sobre um misterioso "Paulo de Leonardo da Vinci de Florença" afastado da cidade toscana pela má vida que levava, para que tomasse jeito e abandonasse as más influências. Segundo Vezzosi, o grande mestro citado parece ser realmente Leonardo, sobretudo pelas atenções que recibia dos senhores de Bolonha e Florença. Para o pesquisador, o nome composto "Paulo de Leonardo" reforça mais a possibilidade de que se trate de un filho que de um aluno.O outro documento é uma carta escrita pelo artista no ano de 1506 e arquivada na pasta 541 do código Atlântico da Biblioteca Ambrosiana, sobre a obra escrita pelo genial pintor e cientista, que foi transcrita e interpretada em doze volúmes pelo italiano Augusto Marinoni. Em resposta a uma missiva de seu irmão Domenico, na qual lhe anuncia o nascimiento de seu filho, Leonardo aconselha o irmão prudência, usando palavras que podem ser interpretadas como fruto de sua própria experiência. "Estais eufórico por haver criado um zeloso inimigo, o qual desejará com todas suas forças a liberdade", escreveu o artista da A Última Ceia.Vezzosi reintera que estes indícios constrastam com muitas críticas austeras sobre a personalidade de Leonardo e revelam as contradições de "um espírito livre e muito humano, algumas vezes entristecido pelas recorfações e outras imerso de maneira paternal nos desenhos nos quais os garotos abraçam suas mães ou brincam com um gato".O pesquisador italiano também tem se ocupado da organização da mostra Leonardo e Europa, que está em andamento na cidade San Benedetto del Tronto (no centro da Itália) e que permanecerá aberta até 30 de setembro. Na exposição se exibem obras raras com ilustrações de garotos brincando e, pela primeira vez, mostra-se a reconstrução de um brinquedo de madeira desenhado pelo artista do Renascimento, e três esboços de sua Madonna dei Fusi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.