Estúdio Nova Dança retoma atividades

O Estúdio Nova Dança volta às suas atividades a todo o vapor. Amanhã à noite, no Terças de Dança, estarão presentes as meninas da Cia. Nova Dança 2, com a pesquisa coreográfica Toda Coisa se Desfaz. Mas não fica por aí - Denise Namura e Michael Bugdahn apresentam Retrospective en Duo.A dupla Denise e Bugdahn além de criar e coreografar, interpretam Retrospective en Duo. Uma montagem que leva ao palco um espetáculo com a bailarina brasileira e o alemão criado a partir de elementos, personagens e situações tiradas de diferentes criações da companhia francesa À Fleur de Peau. Uma síntese bem-humorada do repertório que é dançado pelo grupo francês."Não podemos considerar o que estaremos apresentando no Estúdio um espetáculo de fato, mas sim uma amostra do nosso trabalho na França," explica Denise. Os integrantes da companhia pesquisam a relação entre a dança e outras manifestações cênicas, como o circo e o teatro. "Nós não estamos preocupados em definir se isto é dança ou se é dança-teatro; nossa preocupação está em mostrar uma parte de nossa pesquisa," afirma Denise.Será apenas uma demonstração da linguagem e para isso os bailarinos utilizam uma parte de cada trabalho e criam situações para ligar todas as coreografias já apresentadas, dando uma unidade. E é a música a responsável por isso: "Criamos a partir da música; é ela que orienta os movimentos e compõem as cenas, não somente no Retrospective en Duo, mas em todos os outros também," diz Denise.Todos os projetos desenvolvidos pela À Fleur de Peau possuem uma boa dose de humor. De acordo com a diretora, a figura do clown está sempre presente, mesmo porque, ele é uma caricatura do homem, mostra de uma maneira descontraída a condição humana, por meio de situações delicadas e inusitadas do cotidiano.O público poderá apreciar parte da pesquisa da companhia francesa e também observar o desenvolvimento da linguagem utilizada. Porém, os demais integrantes da companhia não dançam no Brasil há três anos. "Estamos nos organizando, procurando um espaço, mas até o momento não houve um acerto, o que não quer dizer que desistimos de trazer todo o grupo ," conta Denise.Em outubro, Denise deve voltar ao País, sozinha, para acompanhar Magy Marin que estará no Rio em outubro, no festival de dança Panorama. Magy criou para a À Fleur de Peau Allu-Retour Simple, uma coreografia que fala sobre viagens. O título desse espetáculo é um jogo de palavras, que brinca com a idéia de partida, de ir embora em busca da felicidade, destacando que ela está presente em cada um. "Nesta criação de Magy, que estreou em junho na França, dá para observar toda a dramaturgia da companhia," explica Denise. Enquanto o público aguarda os bailarinos franceses para conferir, poderão ver a síntese da pesquisa deles e também o trabalho das meninas do Nova Dança 2.Sob a direção de Adriana Grecchi, as bailarinas Mariana Caron, Fabíola Ultramari, Letícia Sekito, Mara Guerrero e Sheila Arêas trabalharam juntas a idéia de criar movimentos e observar a maneira como eles se comunicam. Abstrato? Em outras palavras, elas pesquisaram como um movimento se desenvolve em diferentes corpos; como as trajetórias pessoais se relacionam, se contaminam e interagem modificando até mesmo a percepção de tempo e espaço."Toda Coisa se Desfaz é fruto do estudo do corpo em movimento, destacando as qualidades pessoais de cada intérprete", explica Adriana. "A seqüência de movimentos é a mesma; no entanto, cada bailarina lida com eles de uma maneira própria." A performance e a criação musical é de Renato Consorte e o vídeo com cenas das bailarinas em meio a situações marcadamente urbanas, tem assinatura de Wilson Aguiar.O tema da coreografia é a agitada cidade de São Paulo, a grande quantidade de informações e a velocidade com que elas circulam pela metropóle. A coreografia reflete essa instabilidade com atitudes que surpreendem, assim como no ambiente urbano.O grupo estreou esse trabalho no Centro Cultural São Paulo em maio, circulou por várias cidades e hoje as garotas vão dançar pela primeira vez no Estúdio Nova Dança. "Estamos nos sentindo como quem volta para casa," confidencia a diretora."Outra novidade para essa apresentação está em uma nova etapa da pesquisa - o público," conta Adriana. "Estamos analisando a relação das pessoas com o local e com a coreografia." Esse é um trabalho que tem como foco principal as relações e as alterações que elas produzem, até na platéia.Terças de Dança - Duração: 60 minutos. Amanhã, às 21h30. R$ 5,00. Estúdio Nova Dança. Rua 13 de Maio, 240, tel. 259-7580.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.