Estreia hoje nova versão de 'As Viagens de Gulliver'

"As Viagens de Gulliver", que estreia hoje, é um filme infantil sem o menor compromisso de ser fiel com seu homônimo, clássico da literatura inglesa, escrito há 284 anos por Jonathan Swift. Talvez um dos grandes problemas do longa seja a incapacidade de Jack Black, que interpreta Gulliver, em se desprender de seus trejeitos característicos. No livro, a história pode ser interpretada de várias formas, dependendo de quem a lê. Trata-se, sem dúvida, de uma obra que agrada às crianças, mas por trás dela há uma sátira à sociedade do final do século 17 e início do 18, além de uma ferrenha crítica à política inglesa contra a Irlanda e as guerras travadas entre Reino Unido e França.

AE, Agência Estado

14 de janeiro de 2011 | 09h33

As Viagens de Gulliver, enfim, é mais um drama do que qualquer outra coisa. Mas não nesta adaptação cinematográfica. A começar pelo fato de que o filme só aborda a primeira viagem de Gulliver à terra de Lilipute, com uma breve passagem pela ilha de Brobdingnag. No livro, Gulliver passa por outros países imaginários, como Laputa e a terra de Houyhnhm, que sequer são citados no longa.

É em Lilipute que ele encontra os seres pequeninos, de apenas 15 centímetros. Apenas fatos chaves do livro estão no filme. O resto é tudo invencionice hollywoodiana. Da obra literária, estão momentos como o naufrágio, a captura de Gulliver pelos pequenos seres, a ajuda que ele dá na guerra contra a nação dos Blefuscu, e a antológica passagem em que Gulliver apaga um incêndio no quarto da rainha urinando em cima dele.

O longa adapta a história para os dias atuais. Gulliver é um office boy de um jornal. Há dez anos, sua única função é entregar as correspondências para os jornalistas, sendo que alimenta um amor platônico pela editora. Num dia ele cria coragem e vai falar com ela, dizendo saber escrever muito bem. Ela acredita e o manda fazer uma reportagem sobre o Triângulo das Bermudas. Lá ele sofre um naufrágio e vai parar na ilha imaginária de Lilipute.

É na ilha que Black imprime seu estilo. De bermuda e chinelos, o Gulliver do século 21 encontra uma micro sociedade do século 17. Lá, ele conta para os pequeninos habitantes trechos dos filmes "Guerra nas Estrelas", "Avatar" e "Titanic", entre outros, dizendo ser sua própria história, além de colocar Guns and Roses para tocar no seu aparelho iPod. O mais bizarro e fora do contexto ainda está por vir. Trata-se de um robô gigante, bem ao estilo do filme "Transformers", construído pelos liliputianos para desafiar Gulliver. Ou seja, invencionice hollywoodiana. O filme deixou de lado absolutamente toda a complexidade do livro, que se tornou um clássico que atravessa gerações. Há cópias em 3D, mas o filme não foi feito nesse formato. Os efeitos foram adicionados depois. As informações são do Jornal da Tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.