Estreia hoje animação 'Rio', do diretor Carlos Saldanha

Em 2009, a maior bilheteria nos cinemas do Brasil foi "A Era do Gelo 3", dirigido pelo brasileiro Carlos Saldanha, 42 anos, e que teve 9 milhões de espectadores. Hoje, Saldanha lança mais um longa de animação no País. Trata-se de "Rio", uma homenagem à cidade em que o diretor nasceu. O filme tem potencial de bater todos os recordes. A expectativa dos produtores é fazer mais de 10 milhões de espectadores no Brasil. O número é pouco menor do que os 11 milhões de "Tropa de Elite 2". Mas "Rio", uma superprodução de US$ 90 milhões, pode levar ainda mais gente aos cinemas. É que a animação será lançada em 1 mil salas do País, um recorde nacional e quase 50% superior ao número de salas de "Tropa 2": 696.

AE, Agência Estado

08 Abril 2011 | 10h12

No mundo, "Rio" será um dos maiores lançamentos do estúdio 20th Century Fox. Ao todo, o filme será lançado em 150 países, com público esperado de 160 milhões de pessoas, uma divulgação sem precedentes para o Brasil e para a cidade do Rio de Janeiro. Para se ter ideia, a veiculação do trailer de 30 segundos de "Rio", durante o Super Bowl - a final do campeonato de Futebol Americano dos EUA -, foi vista por 111 milhões de pessoas. Para tanto, a Fox desembolsou US$ 3 milhões, o dobro da verba anual que o Rio destina à promoção da cidade no exterior.

O longa conta a história da ararinha azul Blu (Jesse Eisenberg dubla em inglês e Gustavo Pereira, em português), que é capturada na Floresta da Tijuca. Ela é levada para o gelado Estado do Minnesota, nos Estados Unidos, onde é criada por Linda, uma garota nerd, dona de uma loja de livros. O pássaro é criado como um animal de estimação e não aprende a voar. Até que o ornitólogo Túlio (Rodrigo Santoro dubla em português e inglês) diz que Blu talvez seja o último macho de arara azul no mundo e que há uma fêmea da espécie no Brasil. É a chance de salvar a ave da extinção. Quando chega ao Rio, Blu se encanta com a exuberância da natureza e se mete em diversas confusões para ficar com Jade (dublada por Anne Hathaway, em inglês, e Adriana Torres, em português), a ararinha azul fêmea.

O filme tem o mérito de apresentar uma cidade deslumbrante, assim como o turista vê o Rio de Janeiro: lindas praias e mulheres, belas paisagens e os pontos turísticos, como o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar. Mas a animação também fala diretamente com os cariocas ao mostrar personagens engraçados, como a arara Rafael (que é amigo de todos), além da malandragem tipicamente carioca. As mazelas não ficaram de fora. O filme mostra a favela, os traficantes de animais e os pequenos ladrões, incorporados por micos que vivem nas encostas do Pão de Açúcar e roubam celulares e relógios dos turistas.

Outro cuidado que o diretor Carlos Saldanha teve foi com a reconstrução da cidade. É incrível a beleza com que ele recriou os pontos turísticos e também um belíssimo desfile de carnaval na Marquês de Sapucaí. Outro mérito do filme é fazer com que o Rio de Janeiro seja parte integrante da história. Ou seja, a cidade é tão presente que o espectador não conseguirá imaginar nenhum outro lugar do mundo como cenário perfeito para a animação. As informações são do Jornal da Tarde.

Mais conteúdo sobre:
cinema Rio animação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.