André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Roberta Sudbrack retira estande do Rock in Rio após apreensão de alimentos

Os 80 quilos de queijo e linguiça não apresentavam selo exigido pela Vigilância Sanitária; Chef contesta

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2017 | 10h12
Atualizado 16 Setembro 2017 | 15h21

A chef Roberta Sudbrack, que era um dos principais nomes da área gourmet do Rock in Rio, saiu do festival em seu primeiro dia de trabalho, depois que a Vigilância Sanitária apreendeu mais de 80 kg de queijo e 80 kg de linguiça que, segundo ela, estavam dentro da validade e apenas não tinham um selo exigido pelos agentes para a liberação. A chef afirmou que acionará a Justiça para resguardar seu estoque.

Roberta ficou indignada e divulgou o episódio nas redes sociais. "A Vigilância Sanitária invadiu meu estande no Rock in Rio com quase 15 pessoas e decretou que os queijos brasileiros, bem como a charcutaria brasileira da melhor qualidade, meus fornecedores há pelo menos 20 anos, não são bons o bastante para comercialização", acrescentando que os agentes agiram sem bom senso e que os alimentos haviam sido aprovados pelo controle do festival e órgãos de inspeção do Estado.

Ela disse que saiu com enorme prejuízo, e que decidiu desistir do Rock in Rio em nome de sua "ética e profissionalismo". E ainda que não suportou ver "comida da melhor qualidade sendo jogada fora" enquanto tantas pessoas passam fome. "Ajude a salvar a dignidade da gastronomia brasileira!", pediu.

Uma das chefs mais prestigiadas do Rio, Roberta Sudbrack ficou conhecida em todo o Brasil quando comandou a cozinha da Prefeitura da República no governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2003). 

Vigilância. Em nota, a Vigilância Sanitária municipal do Rio de Janeiro afirmou que “o estabelecimento Sudbrack Gastronomia sofreu sansões, com base em legislação nacional (lei 7.889 de 23 de novembro de 1989), após técnicos encontrarem alimentos que não possuíam registro para comercialização dentro do município do Rio de Janeiro, o Serviço de Inspeção Federal (SIF)”. Segundo o texto, os 160 quilos de alimentos irregulares que seriam disponibilizados imediatamente à população foram impedidos de serem comercializados. “Já os 850 kg de alimentos encontrados no local de estoque, fora da área do evento, foram lacrados para impedir a comercialização”. 

Segundo o órgão fiscalizador, será encaminhado um ofício ao Ministério Público para que seja definido o destino desses alimentos, “que entraram de forma ilegal no município”. A Vigiância destacou que Roberta Sudbrack não foi proibida de comercializar alimentos nos próximos dias de evento, desde que adquira produtos adequadamente registrados.

“De acordo com o artigo 4º da lei 7.889, de 23 de novembro de 1989, apenas produtos oriundos de estabelecimentos registrados pelo Ministério da Agricultura estão habilitados ao comércio interestadual e internacional. No estabelecimento Sudbrack Gastronomia foram encontrados produtos de origem animal (linguiça e queijo) sem os devidos registros. Segundo o artigo 12 do decreto 6235 de 30 de outubro de 1986, todo alimento só deve ser exposto ao consumo se estiver devidamente registrado em órgãos competentes.”

A Vigilância afirmou que, antes do Rock in Rio, foram realizadas três grandes reuniões com todos os fornecedores e uma reunião específica com os fornecedores de alimentos, para orientação quanto às regras de conduta. 

Nota oficial do Rock in Rio 

A organização do Rock in Rio informa que é responsável pelo mix de produtos oferecido ao público, garantindo uma oferta variada. Fica a cargo das marcas o cumprimento das normas previstas pelos órgãos competentes. O Rock in Rio lamenta o ocorrido e a saída da Roberta Sudbrack do evento. 

 

Mais conteúdo sobre:
Rock in Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.