Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters
Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Esses dinamarqueses!

O marasmo das coisas que funcionam, museus que abrem, teatro encenado, filmes na tela grande ou até fazer um doutorado sobre um tema inútil

João Wady Cury, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2021 | 03h00

Vou me oferecer como cobaia. Convidar uma dinamarquesa ou um dinamarquês para uma troca: passa um ano no Brasil e eu, um na Dinamarca. Quem sabe assim será possível desfrutar o ‘taedium vitae’ que deve assolar aqueles humanos. O marasmo das coisas que funcionam, museus que abrem, teatro encenado, filmes na tela grande ou até fazer um doutorado sobre um tema inútil. Andar em direção a uma banca de jornais e saber que estará aberta; as poucas que sobraram aqui, fecharam ou andam à meia porta.

Louisiana na Dinamarca

Esse negócio de as coisas darem certo deve ser um horror. A ideia sem pé nem cabeça veio depois de visitar – digitalmente, claro – o Louisiana. Há o Louisiana na Dinamarca, Museu de Arte Moderna. É também canal de tevê, Louisiana Channel (channel.louisiana.dk), e possivelmente algo mais que o valha. Jorram cultura e informação. Comecei pelo mais odiado e amado patrimônio nacional do cinema dinamarquês, Lars Von Trier. Confessa na entrevista um quase encontro com David Lynch (youtu.be/w7 TygmlYgyI). Na versão completa (vimeo.com /494077854), Mr. Dogma95, sacolejante e faceiro, olha o infinito e fala de sua admiração por Twin Peaks. O título dado à conversa é O Fardo do Pato Donald. Lembrei de um vídeo produzido na Islândia, há dez anos, por uma trupe de humor. Simula o jeito Dogma de fazer cinema: o Pato Donald é pego com drogas. Nem adianto como seu chapa, o chapado Pateta, se comporta (youtu.be/1b7h6pyJ83M).

Esses dinamarqueses são um azougue. Há uma entrevista com o artista conceitual Simon Starling. Trata de sua produção mais recente e sua visão sobre a arte neste momento tão grave de nossas vidas (youtu.be/TYjsUYjJ6hg). Mas o melhor é Laurie Anderson, a mais multimídia de todas: comenta sobre sempre estarmos em modo pânico, provocado pela mídia, à espera permanentemente de que algo ruim aconteça em nossas vidas (youtu.be/hpec93exiHI). A conversa foi gravada há dois anos. Poderia ser refeita hoje, tadinha.

O bolo da princesa

Se acha que a coisa já está boa, sigamos o caminho da luz. O Louisiana abriu semana passada a exposição do norte-americano Arthur Jafa, que segue até outubro. Presencial. No mundo digital, além de pinceladas sobre a obra, o site traz uma entrevista com o rapaz. Não perca de vista a bela sala de Alberto Giacometti. Se conseguisse realmente uma vítima, quer dizer, trocar de papéis com um bravo dinamarquês ou dinamarquesa, hoje não perderia de vista a princesa Benedita da Dinamarca, irmã da rainha Margarida II, e a ajudaria hoje a assoprar as velhinhas de seu bolo de aniversário. Com todo respeito, claro.

É JORNALISTA E ESCRITOR, AUTOR DO INFANTIL ‘ZIIIM’ E DE ‘ENQUANTO ELES CHORAM, EU VENDO LENÇOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.