LOS ANGELES - Christopher Plummer é definitivamente um homem seguro. Ele parecia estar com a resposta na ponta da língua quando começou a responder as questões formuladas na sala de imprensa, após a cerimônia de premiação como melhor ator coadjuvante. "Como me sinto ser o mais velho ator a ganhar um Oscar? Acho que esse título não é meu: Charles Chaplin, se não me engano, tinha 83 quando recebeu um prêmio honorário". Mas, como se tratava de uma homenagem, Plummer é, de fato, o mais velho ator em atividade a receber a estatueta dourada. Premiado por Assim é o Amor, em que interpreta um homem que revela ao filho ser gay, Plummer descobriu uma sobrevida artística. "Tenho a sorte de trabalhar em uma profissão que não prevê aposentadoria, mas, com este prêmio, acho que tenho mais dez anos garantidos." Plummer aproveitou para também homenagear sua terceira esposa, Elaine Taylor. "Sempre fui um rapaz travesso e só não me estrepei porque Elaine estava do meu lado", elogiou o ator que, ao ser perguntado sobre a sensação de segurar nas mãos a estatueta de um homem nu, demonstrou ainda estar afiado: "Se ele for gay, acho melhor ainda". Quanto a Octavia Spencer... Bem, a melhor atriz coadjuvante por Histórias Cruzadas repetiu a cena emotiva da cerimônia. "Criei um profundo caso de amor com o elenco do filme e, estar lá, sozinha... achei injusto. Eu praticamente não fiz nada", disse. / U.B.

28 Fevereiro 2012 | 03h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.