Esquina da Palavra traz Adélia Prado

A poeta mineira Adélia Prado encerra, nesta terça-feira, a programação de 2002 do Esquina da Palavra, com um recital que mistura música e poesia à conversa literária proposta pelo evento. O recital leva à cena o CD O Tom de Adélia Prado (Karmim, 2000), que apresenta 56 poemas do livro Oráculos de Maio. As leituras da poeta são acompanhadas pelos músicos Mauro Rodrigues (composição, arranjo e flauta), Fernando Araújo (violão), Cláudio Urgel (violoncelo) e Carlos Ernest (oboé).A autora de Manuscritos de Felipa foi premiada com o Jabuti em 1978, pelo seu segundo livro de poesias, O Coração Disparado. Adélia Prado publicou seu primeiro livro graças a Carlos Drummond de Andrade, cujo centenário de nascimento é comemorado este ano, quando o poeta entregou os originais do primeiro volume de poesias de Adélia, Bagagem (Imago, 1976), ao editor que a acompanha até hoje, Pedro Paulo de Sena Madureira. Com elementos do interior mineiro, extraídos de sua existência em Divinópolis, onde nasceu e mora até hoje, ela compõe um universo em que galinhas e o quintal de terra são elementos de seus versos. Um exemplo é o poema abaixo, extraído do livro Bagagem: Exausto Eu quero uma licença de dormir, Perdão pra descansar horas a fio, Sem ao menos sonhar A leve palha de um pequeno sonho. Quero o que antes da vida Foi o sono profundo das espécies, A graça de um estado. Semente. Muito mais que raízes. Serviço - Esquina da Palavra. Com Adélia Prado. Terça-feira, às 19h30. Sala Itaú Cultural. Piso Paulista. Entrada franca: ingressos distribuídos com uma hora de antecedência.Itaú Cultural - Avenida Paulista, 149 - próximo à estação Brigadeiro do metrô - Tel.: 11.3268-1776/1777. www.itaucultural.org.br

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.