ESPN Brasil chega para Net e Sky

Um acordo assinado no início desta semana entre a Globosat e o canal ESPN vai beneficiar diretamente os assinantes do pacote advanced da Net e Sky. A partir de 13 de novembro, as operadoras passarão a transmitir o canal ESPN Brasil, que atualmente tem seu sinal liberado pela TVA e Directv. Outra novidade anunciada pelo diretor geral da Globosat, Alberto Pecegueiro, é a parceria com o canal internacional da ESPN a Fox Sports, que a partir do início de 2001 se chamará ESPN Fox Sports. Esta é a segunda vez que a ESPN se associa com outros canais - a primeira vez foi em 97, para o mercado asiático. Pelo contrato, Globosat, ESPN e Fox Sports selecionarão o conteúdo dos programas a serem exibidos pelo novo canal, que terá um perfil mais próximo do público brasileiro. "Contrataremos uma equipe de profissionais para trabalhar com a edição dos programas e locução. Será um canal de esportes internacionais, mas totalmente em português, que deverá aumentar ainda mais seu perfil voltado para os brasileiros", avisa Pecegueiro. Os investimentos iniciais para a empreitada são da ordem de US$ 40 milhões, com um retorno previsto de lucros para os próximos 10 anos. O grande forte do "ESPN Fox Sports" será a transmissão de importantes eventos esportivos de todo o mundo, desde jogos ao vivo de basquete da NBA, como os da Liga dos Campeões da Uefa, passando pelos torneios de golfe da PGA. A base do canal ESPN Fox Sports será montada na sede da Globosat, no Rio de Janeiro.Sociedade - Com o acordo fechado entre Globosat e ESPN, o número de assinantes do canal esportivo no Brasil deverá passar de 1,1 milhão para cerca de 2 milhões, segundo Pecegueiro. "A ESPN Brasil deverá chegar a quase todos os assinantes brasileiros de tv paga. Só não estará em 100% das casas porque o canal faz parte apenas dos pacotes ´advanced´, enquanto que os básicos manterão apenas o Sportv", ressalta o diretor, que prevê cerca de 30 dias para que o canal passe a ser exibido pelas operadoras. Júlio Bartolo, diretor da ESPN Brasil, ressaltou que a partir do acordo, a Globosat passa a ter 25% das ações do canal, antes totalmente controlado pela ESPN internacional. Sobre o canal concorrente, Sportv pertencente à própria Globosat - Bartolo explica que não há possibilidade de fusão entre os canais e que a "concorrência é muito sadia para as duas partes". "Vamos continuar investindo no mesmo estilo de programação, que é a de abrir espaço para o jornalismo esportivo e dar destaque para eventos que não têm muito espaço nas outras emissoras. O setor de esportes está crescendo de maneira fantástica no Brasil e há espaço para todos", conclui Bartolo.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2000 | 12h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.